2020 O ANO QUE NÃO ACABOU; 2021 O ANO QUE NÃO FOI; 2022 O ANO QUE JÁ COMEÇOU – RICARDO NOBLAT, VEJA.COM

Nada sairá caro para Jair Bolsonaro se ele conseguir realizar daqui a um ano seu intento de se reeleger. É isso que o move desde que foi admitido pela primeira vez no imóvel mais cobiçado do país, o monumental e nada acolhedor Palácio da Alvorada, e passou a despachar no terceiro andar do Palácio do Planalto.

Liberar mais de 4 bilhões de reais para que deputados federais e senadores votem em seus candidatos às presidências da Câmara e do Senado? Bobagem! Sai na urina. E não sai do bolso dele, sairá indiretamente do nosso que pagamos impostos. Recriar ministérios que extinguiu para acomodar nomes do Centrão?

Quem ficará chocado com isso é porque não votou nele – ou votou, arrependeu-se e não votará mais, a não ser que a esquerda tenha chance de voltar ao poder. Bolsonaro quer preservar seu capital inicial – os 30% dos brasileiros que incondicionalmente o apoiam. Se conseguir, uma das vagas do segundo turno será sua.

De Arthur Lira (PP-AL) e Rodrigo Pacheco (DEM-MG), os mais cotados para comandar a Câmara e o Senado a partir da próxima segunda-feira, Bolsonaro espera que lhe entreguem algumas coisas prometidas: barrar pedidos de impeachment, facilitar a aprovação de reformas da economia e driblar pautas-bombas.

Baleia Rossi (MDB-SP) e Simone Tebet (MDB-MS), adversários de Lira e de Pacheco, não negariam tais favores a Bolsonaro. Rossi, como líder do seu partido na Câmara, votou tão alinhado com o governo como Lira. Tebet, um pouco menos. Mas, no caso de Rossi, ele tem o apoio da oposição e de Rodrigo Maia (DEM-RJ).

Para Bolsonaro, Maia é o capeta. Como presidente da Câmara, comportou-se com excessiva independência para seu gosto. E ele o vê como um aliado do governador João Doria (PSDB-SP) que aspira a ser candidato a presidente. Derrotar Maia não basta. Bolsonaro deseja derrotá-lo de uma maneira humilhante.

É por isso que mandou abrir os cofres públicos e gastar muito além do que fosse necessário. Deu um cheque em branco ao general Luiz Eduardo Ramos, ministro da Secretaria do Governo, para que brincasse de articulador político do governo. O general está feliz e todo prosa como um pavão por merecer a confiança do chefe.

2020 foi mais um desses anos que não começou nem acabou nas datas previstas. Aqui, pelo menos, começou em março com a primeira vítima fatal do Coronavírus, e se estenderá até que a pandemia seja domada com a vacinação em massa. Como falta vacina no mundo, será um dos anos mais longos da história.

Para os políticos e os donos de negócios que dependem deles e do próximo inquilino do Alvorada, 2021 é um ano que já acabou. Todos estão em 2022 e fazem seus cálculos. Como Bolsonaro chegará até lá? Quais as chances de ele vencer ou perder? Quem irá enfrentá-lo? Qual será a taxa de renovação do Congresso?

2020 O ANO QUE NÃO ACABOU; 2021 O ANO QUE NÃO FOI; 2022 O ANO QUE JÁ COMEÇOU – RICARDO NOBLAT, VEJA.COM
Rolar para o topo