2021 – HELDER FERNANDES AGUIAR, JORNAL DA CIDADE

2021 chegou e com ele diversas expectativas e diversos desejos; exatamente como quando chegou 2020. Basta desejar um ano melhor, mais justo e perfeito, sem fazer nada para torná-lo melhor? A resposta é óbvia! Claro que não.

Os desejos eram simples, embora quase sempre apenas desejos. Emagrecer, fazer exercícios, fazer as pazes com alguém, fazer aquela viagem dos sonhos e coisas assim; agora mudou: todos querem sua vida de volta! Poder sair, ver shows ao vivo, viajar, sem medo do novo coronavírus e da Covid 19, e aguardando a sonhada vacina; a vacina não acabou com a hepatite b, c e com a não b; não acabou com o sarampo, com a h1n1 e, não vai acabar com a Covid 19. Não tenhamos essa ilusão; já sei que nunca mais irei examinar um doente com qualquer doença, sem usar máscara de proteção, sem intensificar o uso do álcool em gel e outras medidas sanitárias básicas. Que saudade de um abraço apertado!!!

2020 não pode ser esquecido! O que deu certo? A Argentina fechando tudo ou a Suécia levando a vida como sempre levou? Sempre, o meio termo, o intermediário é o melhor? O que eu fiz? Fiscalizei a população e me cuidei, fazendo o que disse para alguém fazer, ou joguei para a torcida, dando uma de politicamente correto? Realmente só saí de casa para o essencial? É tempo de reflexão e de nervos à flor da pele; aconteceram mortes, por outras doenças, pelo medo da população, que fugiu das consultas de rotina, como cardiologista, ginecologista, oncologista e tantos outros e de tantos exames necessários! A quebradeira de lojas e indústrias foram para um bem maior? Eu teria defendido o fica em casa, com tanta ênfase, se não tivesse meu salário garantido, nem streaming e nem condições de pedir comida por aplicativos? Tive a devida empatia?

Como você se enxerga? Negacionista, alarmista, pessimista, otimista, militante ou alienado. Refletir sobre essa posição já é uma excelente maneira de começar o ano. Cada um precisa fazer a sua parte com responsabilidade, seja qual for sua ideia em relação às medidas a serem tomadas. Tudo que cai do céu chega amassado.

Um feliz e próspero ano novo, independente de como ele se apresentar. Sejam todos muito felizes.

O AUTOR É MÉDICO OTORRINOLARINGOLOGISTA

2021 – HELDER FERNANDES AGUIAR, JORNAL DA CIDADE
Rolar para o topo