A alta nata do que não presta – CATARINA ROCHAMONTE, FOLHA

A alta nata do que não presta
Bolsonaro não só abraçou o centrão como se tornou seu chefe

O mau conceito do centrão —ajuntamento fisiológico mais descarado da política brasileira, com vários dirigentes envolvidos em corrupção— é quase unanimidade, e, por isso, falar mal dele rende votos. Na campanha de 2018, o candidato Jair Bolsonaro referiu-se a esse agrupamento político como “a alta nata de tudo o que não presta no Brasil” e disse que “essa forma de governar” (o “toma lá dá cá”, o loteamento dos órgão públicos) “é que levou o Brasil a essa ineficiência e a essa corrupção não encontrada em nenhum lugar do mundo”.

No mesmo ano, em convenção nacional do PSL, o general Augusto Heleno parodiou um samba, substituindo a palavra “ladrão” e cantarolando para a plateia: “se gritar pega centrão, não fica um meu irmão…”.

Águas passadas e samba velho. Agora, o centrão foi promovido pelo governo ao centro das decisões da República. Bolsonaro não só o abraçou: tornou-se seu chefe, tendo agido com despudor no caso da disputa pela Presidência da Câmara, quando, com verbas bilionárias e oferta de cargos, comprou a eleição de Arthur Lira, um réu por corrupção.

[ x ]
Logo em seguida, veio outra vitória da acomodação de interesses ou do acordão da impunidade: a extinção da Lava Jato (decidida pelo PGR indicado sob encomenda para atingir esse fim). Bolsonaro entregou aos novos presidentes da Câmara e do Senado uma lista de prioridades que não contempla nada da agenda anticorrupção. Nenhuma menção à PEC da prisão em segunda instância (que, segundo o líder do governo na Câmara, foi criada “só para prender o Lula e tirá-lo da eleição”).

A “nata do que não presta” está eufórica: varou a madrugada da vitória de Lira comemorando na mansão de um empresário denunciado pelo MPF e réu por fraude tributária. Convivas aglomerados esbaldaram-se em atitude indecorosa pela ostentação e despropósito em um contexto no qual a pandemia já ceifou mais de 230 mil vidas. Muitas das quais poderiam ter sido salvas não fosse a incúria das autoridades.

Catarina Rochamonte
Doutora em filosofia, autora do livro ‘Um olhar liberal conservador sobre os dias atuais’ e presidente do Instituto Liberal do Nordeste (ILIN).

A alta nata do que não presta – CATARINA ROCHAMONTE, FOLHA
Rolar para o topo