A boiada de Ricardo Salles passou sobre a política ambiental – RICARDO NOBLAT, VEJA.COM

Bolsonaro deu ouvidos ao ministro

Por Ricardo Noblat – Atualizado em 29 jul 2020, 09h02 – Publicado em 29 jul 2020, 09h00

Amazônia: somente 4% das unidades de conservação estão devidamente instaladas
Amazônia: somente 4% das unidades de conservação estão devidamente instaladas Andre Penner/AP/VEJA

Resta comprovado que o presidente Jair Bolsonaro seguiu o conselho de Ricardo Salles, seu ministro do Meio Ambiente, e aproveitou os meses iniciais da pandemia do coronavírus para reforçar os maus tratos à natureza, marca do seu governo até aqui.

Um levantamento feito pelo jornal Folha de S. Paulo em parceria com o Instituto Talanoa mostra que, entre março e maio deste ano, o governo publicou 195 atos no Diário Oficial, todos ligados ao tema ambiental. Nos mesmos meses de 2019, foram apenas 16.

Na reunião ministerial de 22 de abril último, Salles sugeriu a Bolsonaro que aproveitasse o momento em que a imprensa estava ocupada com a pandemia para “passar a boiada”, mudando “todo o regramento e simplificando normas” na área do meio ambiente.

E foi isso o que Bolsonaro autorizou que se fizesse como aponta a análise inicial das principais portarias, instruções normativas, decretos e outras normas baixadas ou alteradas. O processo de desmonte das políticas ambientais ganhou celeridade.

A instrução normativa 4/2020 do Ministério do Meio Ambiente (MMA), por exemplo, que trata da priorização de indenização para populações tradicionais em reservas ambientais, criou uma brecha para facilitar a expulsão de índios e quilombolas dessas áreas.

A portaria 432/2020 permitiu ao ICMBio centralizar a gestão de duas unidades de conservação em Roraima, cancelando a criação de mais duas bases avançadas. Ali, há registros recentes de invasão de garimpeiros e de aumento da derrubada de árvores.Receba as novidades e principais acontecimentos, bastidores e análises do cenário político brasileiro.

A boiada de Ricardo Salles passou sobre a política ambiental – RICARDO NOBLAT, VEJA.COM
Rolar para o topo