A ÉTICA DE LIDAR COM A MENTE QUE SE VAI – SUZANA HERCULANO-HOUZEL, FOLHA

Você avisa o ente querido diariamente que ele tem alzheimer ou aceita que o melhor é limitar o sofrimento a você?

Quanto mais eu convivo com o pessoal do outro lado do mundo, mais me dou conta de que brasileiros e chineses são muito parecidos. Vivemos em família, falamos todos ao mesmo tempo, cuidamos uns dos outros porque achamos perfeitamente normal que os outros precisem da gente — porque, afinal, antes de nos tornarmos indivíduos, somos parte de um todo que cuida de nós. 

O que acontece, então, quando a mente de alguém querido adoece? Nos EUA, descobri que só se pode buscar cuidado médico para familiares quando o cuidado requer ambulância ou polícia. Antes disso, entrar em contato com o médico é violação de privacidade.

Obviamente não é o caso na China, ou a premissa do filme “The Farewell”, da chinesa Lulu Wang, seria inviável. No filme, uma família descobre que a matriarca, velhinha, tem câncer de pulmão terminal, mantém a doença em segredo da própria paciente e se reúne para celebrá-la em vida, sob pretexto de uma festa de casamento. Não há papo sobre autorizações ou consentimento: o médico conversa com a família e ela decide o que fazer. Enquanto isso, a paciente vive sua vida, sem se estressar com a tosse ocasional e contente de ter a família ao redor, distribuindo conselhos.

Cena do filme 'The Farewell'
Cena do filme ‘The Farewell’ – Divulgação

Não estou apoiando nem criticando a história. Especialmente em tempos de polarização, acho importante lembrar que as coisas são mais complicadas, que há tons de cinza, e reservar a cada um e sua família o direito de decidir por si mesmo.

Se a situação médica de “The Farewell” seria impensável nos EUA por causa da legislação que busca proteger médicos de litígio, ainda assim a vida garante complexidade para todo mundo. Exemplo: com a expectativa de vida pra lá de 80 anos, é inevitável que o mal de Alzheimer se faça cada vez mais presente. O problema é que são os outros que notam essa doença e sofrem primeiro; o doente pode passar o resto de seus dias sem se saber doente. Por isso, cada vez mais cuidadores advogam por aplicar as técnicas teatrais do improviso: entrar no jogo, não contrariar e jamais dizer “você já me perguntou isso três vezes”.

Sem memória recente, a pessoa querida com alzheimer vai perguntar a mesma coisa três vezes, repetir o mesmo comentário sincero, perguntar pelo Fulano, que já morreu, e achar estranho que o cachorro esteja borocoxô, comportando-se como um velhinho. 

E aí, você lhe dá todos os dias a notícia de que ela tem alzheimer? Ou aceita que o melhor é limitar o sofrimento a você? Com sorte, o que quer que você diga terá sido esquecido no dia seguinte. Antes de decretar que isso ou aquilo é antiético, que tal se perguntar: para quem faz diferença?

Suzana Herculano-Houzel

Bióloga e neurocientista da Universidade Vanderbilt (EUA).

A ÉTICA DE LIDAR COM A MENTE QUE SE VAI – SUZANA HERCULANO-HOUZEL, FOLHA
Rolar para o topo