A pax bolsonariana: até quando? – ALON FEUERWERKER, REVISTA VEJA

“Expurgos brancos” e atuação dos militares ajudaram o Executivo

Por Alon Feuerwerker – Atualizado em 6 ago 2020, 20h49 – Publicado em 7 ago 2020, 06h00

Jair Bolsonaro gesticula ao encontrar apoiadores durante uma cerimônia de abaixamento da bandeira no Palácio da Alvorada, em Brasília Adriano Machado/Reuters

As críticas à Lava-Jato vão sendo novamente matizadas, apesar dos percalços. A aliança da operação com os vetores dominantes da opinião pública volta a mostrar vigor e agora vitamina-­se de um novo alinhamento: num lado, o Palácio do Planalto e a Procuradoria-Geral da República; no outro, a Lava-Jato e quem flerta com amputar o mandato de Jair Bolsonaro antes do prazo, evitando assim preventivamente também a possibilidade de reeleição.

Quem levará a melhor? A aliança encabeçada pela Lava-Jato vem de vitórias históricas, a começar do impeachment de Dilma Rousseff e da condenação, e inelegibilidade, de Luiz Inácio Lula da Silva. Mas enfrenta uma atribulação no plano tático: as pressões e manobras do Executivo para retomar o poder moderador, o que em linguagem mais delicada ganha o nome de “governabilidade”. E esta passa pela contenção dos polos que floresceram em Brasília no declínio de Dilma Rousseff e Michel Temer.

No Congresso Nacional, um desses polos, as coisas para o oficialismo bolsonarista parecem ir razoavelmente bem. Ainda há chacoalhadas e rusgas, mas o sentido geral é o de pacificação. O impeachment hiberna, e a reforma tributária é o novo brinquedo posto a entreter o Legislativo. E os parlamentares estão às voltas com outros dois assuntos apetitosos: as eleições municipais e a renovação das mesas da Câmara e do Senado.

Nisso, a única coisa que o governo precisa evitar é perder. O ideal para o Planalto serão presidentes alinhados 100% com Bolsonaro, mas Rodrigo Maia e Davi Alcolumbre continuarem nas cadeiras seria, para o governo, “o problema já conhecido”. Diz a sabedoria: nunca se apresse a eliminar um problema já conhecido, pois o risco é aparecer um novo, e potencialmente mais complicado. Como, por exemplo, o comando do Congresso nas mãos de personagens inteiramente originais e com apetite por protagonismo.

“No MP e no Legislativo, o cenário para o presidente parece o menos pior desde a posse”

No Ministério Público e no Legislativo, o cenário para Jair Bolsonaro parece o menos pior desde a posse, inclusive por as disputas da hora serem internas em ambos. E isso enquanto o Executivo vive uma inédita pax bolsonariana, após alguns “expurgos brancos” e a ocupação de espaços estratégicos pelos quadros provenientes das Forças Armadas, da reserva e da ativa. E que estão ali por outra regra da vida política: quando há vácuo, este suga alguém para consertar a anomalia. É o que se passa com os fardados.

O momento de calmaria para o presidente da República decorre também de um fator relativamente inesperado, e de outro previsível. Era pouco esperado que a popularidade do presidente resistisse à dramática contabilidade das mortes pela Covid-19. Por alguma razão está resistindo. O previsível era a dispersão das esquerdas, que sintomaticamente voltaram a ser nomeadas no plural. Aqui, um paradoxo: quanto mais se fala em frente na oposição, mais avança a fragmentação dela. Na disputa das prefeituras, por exemplo.

O que pode interromper a paz? Afinal, estamos no sempre potencialmente complicado agosto.

Publicado em VEJA de 12 de agosto de 2020, edição nº 2699

A pax bolsonariana: até quando? – ALON FEUERWERKER, REVISTA VEJA
Rolar para o topo