A peste e o apocalipse dos restaurantes – MARCOS NOGUEIRA – COZINHA BRUTA – FOLHA

O

Foi coisa de um mês atrás, talvez menos. Eu estive em um pequeno restaurante tailandês na Liberdade, no lado de lá da Conselheiro Furtado, rumo aos cortiços do Glicério.

Uma porta estreita e baixa, que os donos insistiam em fechar, era a única entrada de ar. Todas as mesas, cobertas com plástico grosso sobre uma toalha bonitinha, estavam ocupadas. Barulho e calor. Equipe monoglota (não era o português que eles falavam), comida fabulosa, preços ridiculamente baixos.

O tipo de lugar que desperta suspeitas quanto à higiene na cozinha, algo que a gente releva porque ninguém nunca morreu de comer num restaurante encardido e baratex.

Será?

Depois de uma semana de isolamento voluntário em casa, a pequena esbórnia asiática me parece uma recordação de priscas eras.

No sururu do surto de coronavírus, é implausível que alguém saia de casa e se exponha à epidemia por um mero prato de comida.

A gastronomia levou uma estocada potencialmente fatal na crise desencadeada pelo Covid-19. Ela está na vanguarda da economia, no sentido militar do termo: a infantaria que se submete primeiro ao fogo inimigo, com numerosas baixas.

As razões para isso são duas:

1) Com o perdão pela obviedade, bares e restaurantes são espaços destinados à socialização e ao consumo de bebida e comida. A saliva, que carrega o vírus, está nos pratos, nos talheres, nos guardanapos, nos copos, no vidro de azeite, nas folhas do cardápio, nas mãos de todos. Está no ar. É o cenário perfeito para o contágio.

2) Bares e restaurantes são supérfluos.

Dói escrever isso, mas é fato que ninguém precisa de um restaurante para se alimentar. Mesmo que a pessoa não entenda necas de cozinha, ela se vira em casa com miojo e pizza congelada.

O setor percebeu rapidamente que seria o boi-de-piranha da crise. Minha timeline está repleta de postagens de restaurantes anunciando rigor reforçado nas medidas de assepsia. Alguns resignados já optaram pelo fechamento total, porém (presume-se) temporário. A maioria vê uma nesga de esperança no serviço de entrega em domicílio.

Não creio que vá funcionar. As prováveis benesses fiscais dificilmente terão o efeito desejado, tampouco.

Enfim, a quebradeira promete ser avassaladora. Os representantes da categoria tentam estimar números, mas a verdade é que ninguém sabe direito o que está acontecendo. A hecatombe, por simples lógica, parece inevitável.

Quando a pandemia passar, teremos um cenário de terra arrasada. Quando a população acordar do pesadelo do apocalipse zumbi, o mundo será um lugar bem pior.

Ninguém passa incólume por meses de privação do convívio social. A alegria está nas coisas supérfluas –o resto é necessidade fisiológica.

Em tempo: a palavra “restaurante” vem do verbo “restaurar”. Restaurar é se recuperar das feridas físicas e espirituais. Para os que conseguirem atravessar a tormenta, um alento essencial.

A peste e o apocalipse dos restaurantes – MARCOS NOGUEIRA – COZINHA BRUTA – FOLHA
Rolar para o topo