Abel destaca equilíbrio na final do Mundial de Clubes: ‘Igualamos com jogo coletivo’ – ESTADÃO

Abel destaca equilíbrio na final do Mundial de Clubes: ‘Igualamos com jogo coletivo’
Treinador aponta qualidade individual superior do Chelsea, mas dá apoio ao elenco do Palmeiras após derrota na prorrogação: ‘Muito orgulho do que fizemos’

“Nós conseguimos superar, e muito, a qualidade individual do nosso adversário. Conseguimos ser corajosos, valentes, ter calma, jogar, atacar o nosso adversário. Uma equipe que tem muita qualidade individual, mas conseguimos igualar com o nosso jogo coletivo. O jogo foi decidido em um detalhe. Então, é dar os parabéns aos meus jogadores. Estou muito orgulhoso. Agora, vamos receber o nosso mereido segundo lugar, por todo o trabalho que fizemos”, finalizou o treinador.

Luiz Felipe Scolari, torcedores e outros personagens ligados ao Palmeiras consideram o português o maior que treinou o clube em seus 107 anos de histórias. Pela filosofia, pela transformação dos atletas, pela inteligência, pelo legado e pelos títulos, claro. Nenhum outro treinador conquistou duas Libertadores pelo clube.

“Falo de coração: Abel é o maior treinador que o Palmeiras já teve em todas as épocas”, opinou Felipão à Band. “Conseguiu os títulos, conseguiu fazer com que esses jogadores trabalhassem pelo clube com alegria, com satisfação e pensamento pelo Palmeiras que, quem sabe, nós não conseguimos passar”, justificou.

Mas Abel se distancia desse rótulo. Fala sempre que julga oportuno que um dos problemas do futebol brasileiro é buscar heróis e vilões. E que ele é apenas mais um dentro da estrutura, da engrenagem. “Vocês nunca vão me ouvir falar ‘eu ganhei ou perdi’. Nós ganhamos ou perdemos. O futebol, para mim, me fez ver as coisas de forma plural, humana, entreajuda, solidariedade. Temos de ser exemplo”, explicou.

Após a derrota na final do Mundial para o Chelsea, o Palmeiras deve embarcar na viagem de retorno ao Brasil às 22h (horário de Brasília). A chegada está prevista para a tarde de domingo.

MEU COMENTÁRIO:

ELE VIU UM JOGO E A MAIORIA DOS ESPECTADORES PELA TV, COMO EU, VIMOS OUTRO.

ATÉ ENTENDO QUE NOS COMENTÁRIOS PÓS JOGO, O TREINADOR PROCURE CONSOLAR A EQUIPE COM PALAVRAS DE INCENTIVO E MESMO ALGO DUVIDOSO COMO “IGUALAMOS NO JOGO COLETIVO”. IGUALOU O QUÊ, QUANDO, COMO?????

EU VI UM TIME JOGANDO COM A BOLA NOS PÉS, EM OITENTA POR CENTO DO TEMPO: ERA O DE AZUL.

E OUTRO CORRENDO ATRÁS DA BOLA, TENTANDO RECUPERÁ-LA E RETE-LA, SEM SUCESSO: ERA O DO BRANCO

SEGUNDO O EX-JOGADOR ZINHO, HOJE COMENTARISTA DO ESPN, CANSA MUITO MAIS CORRER SEM A BOLA, PROCURANDO RECUPERAR SUA POSSE, DO QUE JOGAR COM ELA NOS PÉS.

O QUE INVALIDA UMA TESE: A QUE DIZ QUE O PALMEIRAS BUSCAVA A PRORROGAÇÃO, PARA EM SEU TEMPO CONTAR COM O O CANSAÇO FÍSICO DO CHELSEA E AI DECIDIR, AINDA QUE NUM LANCE ISOLADO.

O QUE SE VIU FOI DIFERENTE: NA PRORROGAÇÃO O CHELSEA INTEIRO, E QUANDO UM JOGADOR SAIA POR CANSAÇO ERA SUBSTITUIDO POR OUTRO INTEIRO, COM A MESMA QUALIDADE TÉCNICA.

AS TROCAS DO PALMEIRAS, BEM, HUMMMMM,, DEIXA PRÁ LÁ…

SE O JOGO DE ONTEM REPRESENTAR A DIFERENÇA ATUAL ENTRE O FUTEBOL BRASILEIRO (E SUL AMERICANO?) E O EUROPEU, A DIFERENÇA É ABISSAL.

SEGUIREMOS, COMO DIZ O JUCA KFOURI, EXPORTADORES DE PÉ DE OBRA, QUE ELES LAPIDAM MUITO BEM. E ETERNAMENTE VICES…

FINALMENTE, IMPOE-SE URGENTEMENTE MUDAR A REGRA DO JOGO. NÃO DÁ PARA PUNIR BOLA NA MÃO, COMO SE FOSSE MÃO NA BOLA (CORTE INTENCIONAL), COMO ERA ATÉ O SURGIMENTO DO VAR.

NO PENALTI DE LUAN (NOVAMENTE INJUSTAMENTE PUNIDO PELOS FATOS), A BOLA SÓ NÃO TERIA TOCADO EM SEU BRAÇO SE O TIVESSE AMPUTADO.

LAMENTÁVEL QUE O PODER DE DECISÃO DO ÁRBITRO DÊ LUGAR AO ELETRONICO, QUE NÃO INTERPRETA NEM AVALIA INTENÇÕES.

O VAR MOSTRA O LANCE TAL QUAL. CABE AO HOMEM DO APITO DECIDIR SE A FALTA DE INTENÇÃO (NÃO DÁ PARA SEPARAR O BRAÇO DO CORPO), MERECE A PUNIÇÃO COM A PENA MÁXIMA, O PENALTY.

SERIA PRECISO QUE UMA ALTERAÇÃO NA REGRA FACULTASSE AO ÁRBITRO DE CAMPO O PODER DE DECIDIR. ENQUANTO ELA NÃO FOR FEITA, FICAREMOS PUNINDO TOQUES DE BRAÇO NÃO INTENCIONAIS COMO SE INTENCIONAIS FOSSEM…

A CONTINUAR ASSIM, MELHOR DEIXAR DE VER FUTEBOL…

Abel destaca equilíbrio na final do Mundial de Clubes: ‘Igualamos com jogo coletivo’ – ESTADÃO
Rolar para o topo