Ala militar se vê traída e discute se segue com Bolsonaro – FOLHA

Fardados não foram avisados da mudança na PF; sem eles, renúncia é saída especulada

24.abr.2020 às 13h47 Atualizado: 24.abr.2020 às 15h12

Igor Gielow SÃO PAULO

A ala militar do governo Jair Bolsonaro entrou em crise com a bombástica saída de Sergio Moro do Ministério da Justiça e Segurança Pública. A retirada do apoio ao presidente é uma das hipóteses na mesa que, se concretizada, pode levar a uma renúncia.

Bolsonaro conversa com o ministro da Defesa, Fernando Azevedo, em solenidade em março
Bolsonaro conversa com o ministro da Defesa, Fernando Azevedo, em solenidade em março – Renato Costa – 4.mar.2020/FramePhoto/Folhapress

Dois fatos contrariaram os militares e fizeram elevar a pressão de setores importantes da cúpula da ativa sobre seus enviados ao governo.

Primeiro, a publicação no Diário Oficial da exoneração do diretor da Polícia Federal, Maurício Valeixo, sem consulta aos fardados. Os generais palacianos passaram a quinta (23) tentando costurar uma forma de Moro permanecer no governo, e se viram traídos pelo modus operandi do presidente.

Segundo, o pronunciamento explosivo de Moro em sua saída. Um interlocutor direto da ala militar afirmou que os generais ficaram chocados com a acusação explícita de interferência na Polícia Federal.

Como diz esse oficial-general, não se trata de achar que Bolsonaro não desejaria fazer isso, dado seu histórico de proteção aos interesses de sua família. Mesmo a mudança de Valeixo estava no preço. Mas o pedido explícito e, claro, a exposição pública da situação, foram vistos como injustificáveis.

Na avaliação os militares, o presidente isolou-se de vez com os fatos desta sexta. Nas conversas sobre tentativas de manter a governabilidade, os militares defenderam que o próximo ministro da Justiça fosse um jurista de reputação ilibada, sem conexões políticas. Inicialmente, Bolsonaro rejeita a hipótese.

O presidente quer o chefe da Secretaria-Geral da Presidência, Jorge Oliveira, no lugar de Moro. O ministro, contudo, não aceitou inicialmente a proposta. Outro nome é o de André Mendonça (Advocacia-Geral da União).

Além da pressão interna, os militares do governo estão vendo subir a insatisfação do serviço ativo com a condução da crise do coronavírus. Segundo relatos vindos da ativa, o comandante do Exército, general Edson Pujol, está cada vez falando menos a mesma língua que a do ministro da Defesa, general Fernando Azevedo.

Já o entorno do ministro nega tal versão, afirmando que eles estão alinhados e que não há divergências. Como em questão estão princípios hierárquicos, e Azevedo é o chefe de Pujol, não haverá transbordo público caso elas existam.

O ministro da Defesa é o pivô da ala militar, fazendo a ponte entre os fardados do governo, a ativa e setores políticos, tendo como aliados principais Walter Braga Netto (Casa Civil) e Luiz Eduardo Ramos (Secretaria de Governo), ambos seus ex-comandados.

Segundo um oficial-general, o clima eleva a pressão sobre os fardados no governo para se posicionar caso Bolsonaro não dê uma explicação minimamente palatável para a acusação de Moro.

Como parece impossível isso acontecer, o nó aperta. Moro, ao contrário de outro antigo pivô do governo, Paulo Guedes (Economia), é muito bem visto entre os militares.

Tanto é assim que generais da ativa compartilhavam, no começo desta tarde, não memes chamado Moro de traidor ou comunista, mas sim um no qual um jogador de futebol em aquecimento ganha a cabeça do vice-presidente, o general Hamilton Mourão (PRTB).

O vice, que nunca foi uma unanimidade entre seus pares de Alto Comando do Exército, é hoje a alternativa constitucional sempre falada pelos militares.

Teve voto, segundo a regra, e é indemissível. Não se espera nenhum movimento dele, dada a lembrança recente do balé entre Michel Temer e Dilma Rousseff, no qual o então vice ganhou a pecha de conspirador do processo de impeachment da petista em 2016.

Os militares, tanto da ativa quanto do governo, já haviam ficado contrariados com a presença de Bolsonaro em um ato pedindo um golpe na frente do quartel-general do Exército no domingo (19), dia da Força.

Ala militar se vê traída e discute se segue com Bolsonaro – FOLHA
Rolar para o topo