ALIANÇA ILUSÓRIA – BRUNO BOGHOSSIAN – FOLHA

Aliança entre Congresso e equipe econômica era só ilusão

Com retaliação de R$ 20 bi, parlamentares podem virar sócios do governo na crise

Durou pouco mais de um ano a ilusão de que o Congresso havia jurado amor eterno à agenda de aperto nas contas públicas. Em mais um momento tenso nas relações com o Planalto, os parlamentares decidiram espetar no governo um gasto extra de R$ 20 bilhões por ano para ampliar o benefício pago a deficientes e idosos muito pobres.

derrubada do veto de Jair Bolsonaro a esse dispositivo é mais uma prova de que nenhuma aliança funciona no piloto automático. No primeiro ano de mandato, deputados e senadores firmaram uma parceria com a equipe econômica e driblaram a tentação de criar despesas exageradas para os cofres do governo.

O vento virou quando o presidente passou a guerrear de frente com o Legislativo. As convocações para o protesto do dia 15 e a intimidação aos parlamentares no debate sobre o controle do Orçamento, somadas às recentes caneladas do ministro Paulo Guedes, implodiram o acordo.

O recado do Congresso veio numa fórmula conhecida e irresponsável: a aprovação de uma medida com apelo social e grande impacto fiscal. Os parlamentares decidiram que o chamado BPC também deve atender a famílias que recebem até meio salário mínimo —não apenas àquelas que ganham menos de 25%.

A expansão da rede de proteção social é uma pauta legítima, mas congressistas costumam exercer autocontenção em momentos de aperto. Quando a penúria vem acompanhada de uma crise política, essa agenda se torna uma ferramenta de retaliação inconsequente, mas poderosa.

0
O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (dir), e o ministro da Economia, Paulo Guedes – Pedro Ladeira/Folhapress

A derrota do governo pode desmantelar também o consórcio entre Guedes e Rodrigo Maia. Políticos e investidores apontavam o enlace como a salvação da agenda econômica diante da baderna produzida pelo presidente. Agora, o presidente da Câmara não quis ou não conseguiu frear o caminhão desgovernado.

Bolsonaro certamente posará de vítima e dirá que os parlamentares querem implodir as contas do país. O Congresso corre o risco de virar sócio do governo na crise econômica.

Bruno Boghossian

Jornalista, foi repórter da Sucursal de Brasília. É mestre em ciência política pela Universidade Columbia (EUA).]

MEU COMENTÁRIO:

Na presente conjuntura econômica, a rejeição do veto pelo Legislativo é pura irresponsabilidade perante o país.

Não gosto de Bolsonaro nem de seu governo e simpatizo – apenas – com alguns de seus ministros.

Mas sacar contra um fundo que não existe, é o mesmo que emitir um cheque sem fundos.

Ainda bem que outro órgão governamental que fiscaliza as finanças vai neutralizar a irresponsabilidade legislativa ao bloquear a iniciativa por faltar indicação da fonte de custeio.

Ainda bem…

ALIANÇA ILUSÓRIA – BRUNO BOGHOSSIAN – FOLHA
Rolar para o topo