ANÁLISE: HÁ FAKES NO PACOTE – JOSIAS DE SOUZA, BLOG DO JOSIAS

A propósito da celebração do aniversário de 300 dias da chegada de Jair Bolsonaro ao poder, o governo gastou dinheiro público na produção de material promocional. Foi distribuído pela assessoria de imprensa da Presidência.

Lê-se na peça coisas assim: “Os escândalos de corrupção sumiram do Palácio do Planalto e dos noticiários. As instituições são respeitadas e a relação entre os poderes é transparente e limpa. Fraudes e desmandos estão sendo combatidos desde o primeiro dia de trabalho”.

Não se deve discutir com peritos no assunto, pois pelo menos seis dos 22 ministros de Bolsonaro estão encrencados com a Polícia Federal e a Justiça. Há na Esplanada três denunciados, dois investigados e um condenado. Um dos denunciados, o ministro Marcelo Álvaro Antônio (Turismo), encontra-se pendurado nas manchetes como protagonista do escândalo do laranjal do PSL de Minas Gerais.

Instituições respeitadas? Nem tanto, avalia Celso de Mello. Em resposta ao vídeo postado no Twitter de Bolsonaro, no qual o presdente é retratado como um leão cercado por hienas, o decano do Supremo Tribunal Federal declarou que “o atrevimento presidencial parece não encontrar limites”.

Irritado com a incusão do STF entre as hienas, Celso de Mello realçou que Bolsonaro não é um “monarca presidencial” e o Brasil não é “uma selva na qual o leão imperasse com poderes absolutos e ilimitados”.

Com boa propaganda, pode-se vender qualquer coisa: de ovo sem casca à tese segundo a qual o governo Bolsonaro não tolera corrupção e respeita as instituições. Muitos dirão que os maquiadores do presidente exageram. Mas vários brasileiros, depois de ter contato com a peça promocional, podem manifestar o desejo de viver no país que o panfleto descreve, seja ele onde for.

**

ANÁLISE: HÁ FAKES NO PACOTE – JOSIAS DE SOUZA, BLOG DO JOSIAS
Rolar para o topo