Aviso aos navegantes da Era do Coronavírus- RICARDO NOBLAT, VEJA.COM

Arrependimento tardio não dará jeito

O corpo de uma mulher é colocado dentro de um caixão após morrer em casa durante o surto do coronavírus, em Guayaquil, no Equador Vicente Gaibor del Pino/Reuters

Quem sai de casa sem precisar é porque acredita no que o presidente Jair Bolsonaro diz – salvemos a Economia porque a morte de velhinhos “são coisas de vida”. Pode até não gostar de Bolsonaro, mas pensa como ele. Pode até mesmo não saber que ele manda as pessoas saírem de casa e circular, mas faz o que ele manda.

Mais adiante, se virem caminhões do Exército transportando caixões para cemitérios à falta de carros funerários suficientes, se não puderem se despedir de parentes e de amigos que morreram contaminados pelo vírus, não se surpreendam. Não digam que não foram avisados. Não joguem a culpa apenas em Bolsonaro.

Ninguém poderá dizer: “Eu não sabia”. Poderá dizer: “Eu não quis acreditar”. Mas aí será tarde demais.

Aviso aos navegantes da Era do Coronavírus- RICARDO NOBLAT, VEJA.COM
Rolar para o topo