Baixa a cabeça, meu bem – VOLTAIRE DE SOUZA, FOLHA

INFLAÇÃO
Baixa a cabeça, meu bem

Mal-entendido. Burrice. Confusão.

Aconteceu em Brasília.

Bolsonaristas apoiam seu líder pelo motivo errado.

Dona Lurdinha e seu Davi estavam no evento.

–Vai baixar a gasolina, viu, Lurdinha?

–Hein?

–Ele vai deixar por três reais.

Bolsonaro tentou se explicar.

–Não, não…

Ele fazia uma complexa alusão a promessas irrealizáveis de candidatos rivais.

–Pessoal, não é isso…

–Viva o Mito.

–Quem diz isso é outro, pô.

Davi continuava gritando.

Lurdinha pediu silêncio.

–Ouve, meu bem. Parece que…

–Hein?

Davi ajustava o aparelho auditivo.

–Não é ele. Os outros é que falam que vão baixar.

–Baixar o quê?

–A gasolina, meu bem.

O espanto assomou à face do ancião.

–Quem é que vai baixar?

–Sei lá… o Lula. O Collor. O Fernando Henrique…

–Ah. Esse era bom.

–Então, Davi. O Bolsonaro…

–Quer saber, Lurdinha?

–O quê?

–Impossível. Ele muda de ideia toda hora.

–Mas, Davi, você é que não entendeu.

–Não voto mais nele.

–Mas você é burro mesmo, hein, Davi?

–Fui burro até agora. Não sou mais.

–Mas baixar a gasolina… é impossível.

–Então, por que ele está prometendo?

Lurdinha suspirou.

–Escuta aqui. Você vota no Bolsonaro e fim de papo.

–Hein? Não estou escutando direito.

–Vo-ta no Mi-to.

Davi voltou para casa emburrado.

–Essa Lurdinha é uma generala.

Ele acompanha os preços da gasolina.

–Vamos ver se o Bolsonaro cumpre a promessa.

–Mas como você é cabeça-dura, hein, Davi?

–Hein?

A burrice continua forte no país.

Mas nem sempre isso se traduz em claras perspectivas eleitorais.

Baixa a cabeça, meu bem – VOLTAIRE DE SOUZA, FOLHA
Rolar para o topo