BALANÇO DA PETROBRÁS FAZ DA INTERVENÇÃO UM CASO DE PSIQUIATRIA – JOSIAS DE SOUZA, BLOG NO UOL

Sob Jair Bolsonaro, a parte mais difícil do sucesso é encontrar alguém que reconheça o mérito. Empurrado pelo inquilino do Planalto em direção à porta de saída, o presidente da Petrobras, Roberto Castello Branco, levou à vitrine números que o deixam bem na foto.

A estatal petrolífera fechou o ano pandêmico de 2020 com lucro de R$ 7,1 bilhões. O resultado líquido do quarto trimestre do ano passado foi um recorde: R$ 59,89 bilhões. Podendo soltar fogos junto com Castello Branco, o presidente da República preferiu puxar-lhe o tapete.

Casatello Branco fez soar o bumbo do autoelogio: “A produtividade está subindo, a companhia está focada em investir em ativos de classe mundial e possui uma grande carteira de ativos não prioritários à venda. Nós entregamos nossas promessas.”

Indicado por Paulo Guedes em 2019, Castello Branco vai à galeria dos ex-presidentes da Petrobras como um caso raro de executivo. Foi enviado ao olho da rua por excesso de mérito.

Depois que os resultados da companhia ganharam o noticiário restou a impressão de que a intervenção militar que Bolsonaro promove na Petrobras é um caso menos de governança do que psiquiátrico.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

BALANÇO DA PETROBRÁS FAZ DA INTERVENÇÃO UM CASO DE PSIQUIATRIA – JOSIAS DE SOUZA, BLOG NO UOL
Rolar para o topo