Bolsonaro já opera em modo impeachment – VINICIUS MOTA, FOLHA

Governo fraco faz contas diárias para evitar 342 votos contrários na Câmara

27.abr.2020 à 1h00

Agora são 171 mais 1. A gestão Bolsonaro entrou em modo impeachment, no qual um governo enfraquecido dorme e acorda fazendo e pagando contas para tentar evitar que 342 dos 513 deputados federais acionem a guilhotina presidencial.

Nessa fase, os que afiançam apoio comportam-se como mercenários a oferecer serviços ao chefe da cidade cercada. Cobram horrores, mas, na hora de entregar o prometido, vão fazer o que lhes der na telha, pois também flertam com os sitiadores.

Como aconteceu com Collor e Dilma, Bolsonaro terá de se defender em meio a uma recessão duríssima. Como ocorreu com Dilma e Temer, as flechas virão do Legislativo, do Judiciário e de outros setores da burocracia, o que vai estrangular a margem de manobra do presidente.

Diferentemente dos três antecessores empurrados ao jogo do impeachment, a impopularidade de Bolsonaro não é, na saída, tão pronunciada. O capitão também é o mais displicente de todos nas práticas da articulação partidária e parlamentar.

No Congresso, nunca houve tanta fragmentação. Faltam identidade e apetite pelo poder ao bloco oposicionista. O vice-presidente ainda não conspira com forças que podem derrubar o titular e por isso não se delineia o que seria um governo Mourão.

Uma crise sanitária dissemina incertezas, exige respostas urgentes de atores que estavam fora do foco da atenção nacional e complica o cálculo político. Câmara e Senado talvez só consigam se reunir da forma tradicional no segundo semestre.

Mas o tempo foi cruel com os presidentes obrigados a encarar o xadrez do impeachment. A cada rodada, seus movimentos de defesa abriam um novo flanco, o que os fragilizava mais. No final, quem não perdeu o rei de direito perdeu-o de fato.

Jair Bolsonaro desloca as suas primeiras peças no tabuleiro dos decapitados na condição de único presidente, ao longo dos 35 anos da chamada Nova República, filiado a uma corrente autoritária. Só está jogando porque a democracia até aqui lhe fechou as portas para uma aventura.

Vinicius Mota

Secretário de Redação da Folha, foi editor de Opinião. É mestre em sociologia pela USP.

Bolsonaro já opera em modo impeachment – VINICIUS MOTA, FOLHA
Rolar para o topo