BOLSONARO OSCILANTE – JOSIAS DE SOUZA, BLOG DO JOSIAS, BLOG NO UOL

Jair Bolsonaro deixou de ser imprevisível. Tornou-se um presidente tristemente previsível. Empenhado em entregar ao Brasil o pior de si, consolida-se como uma dupla ameaça. Põe em risco a saúde pública. E desafia a democracia às escâncaras.

A exemplo do que fizera em 15 de março, Bolsonaro voltou a ornamentar com a sua presença uma aglomeração sanitariamente imprudente e politicamente inconsequente. Dessa vez, ele discursou.

De toda a fala de Bolsonaro, os únicos trechos que continham novidade genuína foram aqueles em que o presidente soou onomatopeico: “Coff, coff, coff…!” Repare no vídeo abaixo.

O capitão tossiu uma vez (1min:44s), duas (1:56), três (2:01), quatro (2:09), cinco vezes (2:18). Tosse seca, do tipo que inferniza vítimas do coronavírus. Por sorte, Bolsonaro já se submeteu a exames um par de vezes.

Bem verdade que o presidente não exibiu os testes. O Planalto recusou-se a divulgá-los mesmo quando requisitados com base na Lei de Acesso à Informação. Mas Bolsonaro jura não ter sido infectado. Quem ousaria suspeitar?

No resto do discurso, Bolsonaro apenas serviu mais do mesmo a uma plateia de adoradores. Com uma diferença eloquente: foi mais enfático ao exibir o mesmo radicalismo tosco que o caracteriza desde os tempos do baixo clero da Câmara.

Entre uma tosse e outra, realçou sua opção preferencial pelo isolamento político: “Não queremos negociar nada.” Em meio a faixas e gritos contra o Congresso e o STF, avalizou a insensatez golpista: “Acabou a época da patifaria. É agora o povo no poder.”

Antes de ser providencialmente interrompido por um acesso de tosse, Bolsonaro reciclou a pose de novidade: “Chega —coff, coff…— da velha política. Agora, é Brasil acim… —coff, coff— …agora é Brasil acima de tudo e Deus acima de todos —coff, coff, coff…”

Como de hábito, a coreografia golpista foi repudiada por ministros do Supremo, lideranças do Congresso e governadores.

Em privado, até ministros militares lamentaram o papel desempenhado por Bolsonaro. Mas o desatino pede reação mais eloquente das Forças Armadas. Algo mais palpável do que a cara de nojo.

Bolsonaro demora a perceber, mas vai ganhando, aos pouquinhos, a incômoda aparência de um maestro da orquestra do Titanic. O excesso de confiança o impede de perceber que há uma fenda no casco do governo.

Com a economia do país a caminho do fundo, a água logo estará invadindo as escotilhas. E Bolsonaro, menosprezando o fato de que o vírus desliza pelo convés, continua movimentando a batuta diante da claque da “volta à normalidade”.

Ou o presidente interrompe a charanga anticientífica e golpista ou o ruído da tosse logo será substituído por uma onomatopeia mais, digamos, aquática: “Glub, glub, glub.”

Até aqui, tinha-se a impressão de que o vírus deixara o governo de Bolsonaro sem rumo. O capitão se esforça para provar que sua administração tem, sim, um rumo —o rumo do naufrágio.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

 Comunicar erro

BOLSONARO OSCILANTE – JOSIAS DE SOUZA, BLOG DO JOSIAS, BLOG NO UOL
Rolar para o topo