Bolsonaro pode deixar tudo como está para ver como ficará. Ou não – RICARDO NOBLAT, EM VEJA.COM

Um governo que se alimenta de crises

Onyx Lorenzoni, titular da Casa Civil: perda de poder para Oliveira, depois de brigar com ele na transição Cristiano Mariz/.

Fazer o quê com Onyx? Transferi-lo para outro ministério? Seria a mesma coisa que transferir a crise – argumentou, ontem, com um dos seus auxiliares, o presidente Jair Bolsonaro.

Onyx Lorenzonni é o chefe da Casa Civil. Perdeu para o general Luiz Eduardo Ramos a coordenação política do governo. Para Paulo Guedes, o Programa de Parcerias de Investimentos.

Perdeu seu número 2 demitido, readmitido e demitido outra vez por Bolsonaro em menos de 48 horas. E perdeu seu assessor de imprensa, também demitido por Bolsonaro.

Sem ser convidado, o ministro com a cabeça a prêmio foi ao Palácio da Alvorada com outros colegas para uma reunião onde se discutiu o risco para o Brasil da epidemia do coronavírus chinês.Publicidade

Bolsonaro cumprimentou-o friamente. Mas os dois não conversaram a sós. Ficou para hoje. Onyx não pedirá demissão. Bolsonaro não decidiu se o demitirá. Talvez sim, talvez não.

Onyx fará o que Bolsonaro quiser – desde que não fique ao sol e à chuva. O presidente é um homem imprevisível. Pode não decidir nada, ou decidir e mudar de opinião no momento seguinte.

Demitiu e humilhou Gustavo Bebbiano, ministro da Secretaria Geral da Presidência da República, um advogado que chegou a dormir no chão da casa dele quando Bolsonaro era candidato.

Quando Bebbiano estava prestes a deixar o Palácio do Planalto, Bolsonaro ofereceu-lhe uma das diretorias da hidroelétrica de Itaipu. Bebbiano recusou. Hoje, os dois são inimigos jurados.Publicidade

Quem acha que sabe ler os gestos de Bolsonaro chama a atenção para a maneira como ele, ontem, despediu-se dos seus seguidores nas redes sociais. Postou uma foto com o ministro da Educação.

O que isso significa? Nada. Ou tudo. Abraham Weintraub é outro ministro com a cabeça a prêmio. Mas quanto mais se cobra sua demissão, mas ele poderá ir ficando.

Se a pressão sobre Bolsonaro arrefecer, ele será capaz de despachar Weintraub. Ou de arranjar-lhe outro emprego. O irmão gêmeo de Weintraub é assessor de Bolsonaro. Gêmeo ou fake.

Bolsonaro pode deixar tudo como está para ver como ficará. Ou não – RICARDO NOBLAT, EM VEJA.COM
Rolar para o topo