BRASIL NÃO TEM PRESIDENTE, BOLSONARO É QUEM TEM O BRASIL – JOSIAS DE SOUZA, UOL

A pandemia revelou que dentro do governo de Jair Bolsonaro existem latifúndios improdutivos à espera de gestores que os ocupem. O ministério da Saúde, por exemplo, é uma área não ocupada. Ou indevidamente ocupada. O Planalto é um espaço baldio onde crescem apenas ervas daninhas. Mas Bolsonaro não perde oportunidade para reafirmar seu direito de propriedade sobre o Brasil.

Nesta terça-feira, 2 de março do ano da graça de 2021, quando o país amargou o recorde de 1.726 mortos por Covid num único dia, Bolsonaro disse ao seu rebanho: “Querem me culpar pelas 200 e tantas mil mortes. O Brasil é o 20º país do mundo em mortes por milhão de habitantes. A gente lamenta? Lamentamos. Mas tem outros países com IDH (Índice de Desenvolvimento Humano), renda e orçamento melhor que o meu em que morre mais gente“.

Em maio do ano passado, um dia depois de discursar para uma aglomeração em que seus devotos pediam o fechamento do Congresso e do Supremo em frente ao Quartel-General do Exército, Bolsonaro justificou-se: “Eu sou, realmente, a Constituição.” Agora, lança sobre o Brasil um olhar de fazendeiro. Ou de um monarca.

Bolsonaro não é, evidentemente a Constituição. Tampouco dispõe de título de propriedade ou de soberano. Não está autorizado a tratar o Brasil como se fosse um fazendão de sua propriedade. Ou uma monarquia onde reina um vírus. Mas o linguajar do capitão ajuda a entender o drama psíquico-administrativo que o leva lidar com a maior crise sanitária da história com o ânimo de quem cultiva o insolúvel como uma flor.

O Brasil ocupa o segundo lugar do mundo em número absoluto de mortes por Covid, atrás dos Estados Unidos. Aqui, desceram à cova 257 mil pessoas. Lá, 515 mil. Levando-se em conta o número de cadáveres por 100 mil habitantes, o Brasil ocupa o 12º lugar num ranking elaborado pela Universidade Johns Hopkins.

Entretanto, Bolsonaro se refere à hecatombe com certo alívio. Não encomendou vacinas com antecedência. Mas considera-se o benfeitor da cloroquina. “Por que está morrendo menos gente aqui? Tem que ter uma explicação. Seria o tratamento precoce? Se ficar em casa até sentir falta de ar, como dizia o sr. Mandetta, você vai para o hospital para ser intubado. E, se for intubado, você sabe, né? Em torno de 60% a 70% das pessoas infelizmente entram em óbito”.

Outra fonte de alívio para Bolsonaro é a reinterpretação que ele faz de uma decisão do Supremo Tribunal Federal. A despeito de a Corte já ter emitido uma nota de desmentido, o capitão imagina ter recebido salvo-conduto para sempre botar a culpa em alguém pelas restrições que a pandemia impõe. “Segundo o STF, isso cabe a governadores e prefeitos. Lockdown não é culpa minha: é de governadores e alguns prefeitos”.

O Brasil não merecia semelhante castigo. Depois de suportar a esquizogovernança de Dilma, de encarar a cleptoanálise de grupo de Temer e de descer ao manicômio prisional em que Lula se fingiu de preso político durante um ano e sete meses, o país atura mais uma presidência de miolo mole.

Quem se enxerga como uma espécie de personificação da Constituição não se sente obrigado a seguir o texto constitucional. Interpreta-o à sua maneira. O Brasil não tem um presidente da República, Bolsonaro é que tem o Brasil. Governadores, prefeitos e empresários começam a desligar o personagem da tomada, equipando-se para adquirir as vacinas que o governo negligencia.

Trancado em seus rancores, Bolsonaro cogita desperdiçar energias com um pronunciamento em rede nacional de rádio e TV. Nele, voltaria a esgrimir suas idiossincrasias anticientíficas, diria que fez a sua parte ao enviar verbas aos estados e exercitaria o hábito de colocar a culpa nos outros. Curiosamente, algo como 30% dos brasileiros sentem-se confortáveis vivendo numa manicômiocracia. Mas um pedaço expressivo do país cultiva o desejo de receber alta.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

BRASIL NÃO TEM PRESIDENTE, BOLSONARO É QUEM TEM O BRASIL – JOSIAS DE SOUZA, UOL
Rolar para o topo