Campanhas pela infância erram – VERA IACONELLI, FOLHA

Campanhas pela infância erram
Pontos cegos na priorização dessa fase precisam ser considerados

Todas as campanhas pela primeira infância são fundamentais e bem vindas, pois baseiam-se no dado crucial de que os primeiros anos são janelas de oportunidade que se fecham e que é infinitamente mais rentável investir no começo da formação do que se haver com as distorções psíquicas e sociais de uma geração que não foi bem assistida.

O documentário “O Começo da Vida”, do qual tive o prazer de participar, tem o Nobel de Economia James Heckman dando a proporção de 7 para 1 do retorno de investimentos na primeira infância. Nada mal como justificativa para um mundo que pouco se interessa pela humanidade, mas não tira os olhos do lucro.

Mas há furos importantes na forma como pretendemos priorizar a infância, uma vez que, como disse Donald Winnicott “there’s no such a thing as a baby” (não existe isso que chamamos de bebê). O raciocínio é simples: sem cuidadores não há infância. O que está difícil de enxergar nessas campanhas são os paradoxos envolvidos.

Se quisermos priorizar a infância, precisamos proteger as famílias —que na atualidade se concentram em mães vulneráveis que, frequentemente, perdem a guarda dos filhos para um Estado omisso.

Mulheres são o fim da cadeia alimentar social —são destituídas do poder familiar, agredidas, estupradas e assassinadas diariamente— e são também as responsáveis pela chefia de 48,2% dos lares brasileiros (Ipea, 2019). Cuidar da infância é cuidar delas e de seus companheiros, quando houver. Estamos bem longe de fazer isso.

A segunda questão é um paradoxo dentro do outro. Afirmar que cuidar da infância é cuidar da mulher reproduz, erroneamente, a ideia de que crianças são um assunto de mulheres.

A nova geração de cidadãos da qual o país depende para o futuro da Previdência, da segurança pública, enfim, para a construção de uma sociedade, ao ser entendida como assunto de mulheres e mães, revela um flagrante de misoginia e injustiça social histórica e datada.

Então, priorizar a infância é cuidar urgente —e circunstancialmente— de mães que realizam o oneroso trabalho reprodutivo, embora não remunerado. Mas, acima de tudo, reconhecer que esse não é um assunto delas, mas de todos: empresas, Estado e sociedade civil.

Se quisermos que empresas se “sensibilizem” (leia-se, sintam no bolso) com o descalabro a que estão submetidas as mulheres hoje, devemos, enquanto sociedade civil, exigir selo de responsabilização com a nova geração.

O que vem sendo feito com a ecologia —e se tenta fazer com a cadeias produtivas na indústria têxtil— precisa ser aplicado às condições dadas a pais/mães (e toda combinação familiar possível) como licenças maternidade/paternidade condizentes com a tarefa, creches, salários iguais, garantias empregatícias.

O Estado deve comparecer junto às famílias socialmente e etnicamente vulneráveis muito antes da destituição do poder familiar —ato que, na maior parte das vezes, vem coroar com requintes de crueldade o descaso governamental.

Como sociedade devemos denunciar que a ideia de que os filhos são das mulheres —mães, avós, babás e professoras— é um flagrante de omissão da responsabilização social. Como profissionais com filhos precisamos parar de pedir desculpas por nos dedicarmos aos pequenos —isso vale para pais e mães.

Priorizar a infância esbarra no nosso conhecido desprezo pelas mulheres e pelo fato de que elas têm sido erroneamente consideradas responsáveis sozinhas pela nova geração.
Campanhas pela primeira infância não podem replicar esse duplo equívoco.

Vera Iaconelli
Diretora do Instituto Gerar, autora de “O Mal-estar na Maternidade” e “Criar Filhos no Século XXI”. É doutora em psicologia pela USP.

Campanhas pela infância erram – VERA IACONELLI, FOLHA
Rolar para o topo