CENTRÃO RECEIA ANTOCOMBUSTÃO DE BOLSONARO – JOSIAS DE SOUZA, UOL

O escritor italiano Giuseppe di Lampedusa, autor do livro ‘O Leopardo’, cunhou um raciocínio que traduz com perfeição o sentimento que guiou Jair Bolsonaro na troca de comando da Saúde. Disse o escritor: “Se você quer que as coisas fiquem como estão, as coisas terão que mudar”. Pressionado por aliados do centrão a substituir Eduardo Pazuello, o presidente cedeu o pescoço do general para manter a sua estratégia na pandemia. Ganhou tempo. Mas não tranquilizou seus apoiadores.

Bolsonaro conversou com uma dupla de cardiologistas. Entre Ludhmila Hajjar, apoiada pelo centrão, e Marcelo Queiroga, indicado pelo filho Flávio Bolsonaro, o presidente optou pelo candidato do primogênito. Ludhmila representaria uma guinada na Saúde. Ela é avessa à cloroquina, adepta do isolamento social e entusiasta da ideia de instalar em Brasília um gabinete de crise. Queiroga apresentou-se como ministro da “continuidade”.

Nas palavras de Bolsonaro, Queiroga dará “prosseguimento a tudo o que o Pazuello fez até hoje”, porque o trabalho do demitido “está muito bem feito.” Para a cúpula do centrão, a pandemia já impõe prejuízos políticos a Bolsonaro. Os parlamentares governistas temem ser contaminados pelo vírus que produz a impopularidade. A cúpula do centrão avalia que Bolsonaro fez um movimento correto ao se converter às vacinas. Mas o movimento foi tardio. E a vacinação a conta-gotas mantém as UTIs abarrotadas.

Enquanto a imunização coletiva não vem, é preciso recorrer a estratégias como o isolamento social, que Bolsonaro abomina. Um dos líderes do centrão utiliza uma analogia feita pelo próprio presidente para explicar o sentimento dos governistas. Bolsonaro comparou os seus ministros a fusíveis. Disse que, “para evitar queimar o presidente, eles se queimam.” A pandemia já queimou três ministros da Saúde. O doutor Queiroga é o quarto. O receio do centrão é que, sem mudanças na estratégia, o próprio Bolsonaro se queime. Políticos do centrão são capazes de tudo, exceto de acompanhar governantes em processo de autocombustão.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

CENTRÃO RECEIA ANTOCOMBUSTÃO DE BOLSONARO – JOSIAS DE SOUZA, UOL
Rolar para o topo