CLÃ BOLSONARO, RISCO PARA O PIB 2020 – VINICIUS T. FREIRE, FOLHA DE SP

Notícias de escândalos rebaixam sinais de melhora modesta, mas firme, na economia

No mundo do dinheiro grosso e da política, não se deu muita atenção ao descalabro de Flávio Bolsonaro, de sua loja de chocolates, seu castelo de fantasmas e seu muquifo de milicianos.

A finança está animada, o Congresso saiu de férias, a esquerda foi à praia e nem explorou o sururu na casa do governo. Quem andou colocando o governo na linha, de novo, foi Rodrigo Maia, do DEM, o premiê acidental.

O vexame sórdido, porém, tirou das manchetes outras notícias de indícios de recuperação da economia, como os números ainda modestos, mas animadores, do emprego formal e da arrecadação de impostos.

Foi ainda mais um lembrete de que a política é um risco maior para o PIB do ano que vem, dada a perspectiva de fins deste 2019. No mais, as condições para algum crescimento de curto prazo são as melhores desde 2013. Por política entenda-se aqui o complexo Bolsonaro, de escândalos à desarticulação no Congresso, passando pela administração caótica.

O ritmo de criação de empregos com carteira assinada parece acelerar, mas ainda lentamente, apesar da euforia de economistas de banco, consultorias e simpatizantes. Nos últimos 12 meses, até novembro, o número de empregos formais aumentou em cerca de 606 mil; no ano passado, foram 548 mil.

É um incremento que não chega ainda a 60 mil —note-se que há cerca de 39,4 milhões de empregos com CLT no país. É animador ver a construção civil começando a sair do fundo do buraco, mas o emprego na indústria permanece estagnado desde outubro do ano passado.

O salário de admissão ainda cresce muito menos do que o dos demitidos. Enfim, mais de 13% do saldo de empregos de novembro está na categoria tempo parcial e intermitente, novidades da reforma trabalhista. Sim, alguém pode dizer que é melhor algum emprego do que nenhum. Mas é preciso levar em conta tais diferenças nas comparações com verões passados.

Isto posto, o ano deve ser o melhor desde 2013, em criação de empregos, crescimento da economia e perspectivas. Por ora, espera-se que o PIB avance de 2% a 2,5% em 2020, o que significa a manutenção do ritmo de crescimento em que temos andado desde o fim do primeiro trimestre.

Há riscos na indústria, que não convalesce. A confiança do empresário industrial não se recupera. A FGV, que faz a sondagem do ânimo dos empresários, descobriu que esse desânimo se deve ao crescimento lento (para 66,5% das empresas consultadas) e à incerteza política (para 35,5%), entre os motivos principais. Pois é.

Há o salário médio que não cresce. Está praticamente estagnado desde o primeiro terço do ano. Além do mais, segundo as contas do Ipea com base em dados do IBGE, 22,2% dos domicílios não têm rendimento do trabalho (ante 19,2% de 2014). Os domicílios com renda “muito baixa” (menor que R$ 1.643,78) são 29,6% do país. Os indivíduos com renda muito baixa ainda ganham em média menos do que em 2012.

O ritmo de andamento de mudanças institucionais na economia caiu depois da aprovação da reforma da Previdência. Jair Bolsonaro e seu entorno dão mais palpites sobre o assunto, e o governo é errático mesmo nesses temas cruciais para sua sobrevivência. O Ministério da Economia reaparece com ideias que azedam até o caldo reformista, como CPMF e variantes.

Sim, há sinais e condições de melhora. Sim, falta criar 2 milhões de empregos formais para voltarmos ao nível de 2014. Sim, a política dos Bolsonaro ameaça tudo isso.

Vinicius Torres Freire

Jornalista, foi secretário de Redação da Folha. É mestre em administração pública pela Universidade Harvard (EUA).

CLÃ BOLSONARO, RISCO PARA O PIB 2020 – VINICIUS T. FREIRE, FOLHA DE SP
Rolar para o topo