Como contê-lo? – ROBERTO POMPEU DE TOLEDO, REVISTA VEJA

A confiança no respaldo militar é o colchão sobre o qual Bolsonaro executa seus saltos mortais

Por Roberto Pompeu de Toledo – 

De tapinha nas costas em tapinha nas costas, gestos em que a suave repreensão se confunde com encorajamento, Bolsonaro avançou até expor suas ambições ditatoriais ao modo escandaloso Andressa Anholete/Getty Images

Como se sabe desde o segundo dia do governo Bolsonaro, o presidente e o general Eduardo Villas Bôas guardam um segredo em comum. Ao dar posse ao novo ministro da Defesa, em 2 de janeiro do ano passado, Jair Bolsonaro disse, olhando para Villas Bôas, que ainda era o comandante do Exército: “General Villas Bôas, o que já conversamos morrerá entre nós. O senhor é um dos responsáveis por eu estar aqui”. De Bolsonaro espera-se tudo — até mesmo, sem revelá-lo, contar que partilha com alguém segredo tão comprometedor que só o segurando até o túmulo. Do general Villas Bôas seria de esperar que se mostrasse constrangido. Não. Emocionado, na cadeira de rodas a que o prende uma perversa doença degenerativa, a custo conteve as lágrimas.

Se o segredo, em si, jamais será conhecido, em termos gerais foi escancarado naquele momento mesmo: o comandante do Exército foi, no mínimo, simpático à candidatura Bolsonaro, seja pelo que lhe ditava o coração, seja pelo sentimento da tropa, seja pela soma dos dois fatores. Hoje a questão que assola o Brasil é: que fazer dessa pessoa? Como conter esse desmiolado, destrambelhado e desembestado ser que foi parar na Presidência da República? No domingo 19, ao discursar a uma turba que, doidivanas como ele, pedia ditadura e Ato 5, além do fim da quarentena, ele desafiou ao mesmo tempo a Covid-19, as instituições e, dado ter sido o ato realizado às portas do Q.G. do Exército, a sacralidade do mais simbólico dos espaços militares.

Não dá para acreditar que os generais desejem uma ditadura. Não fosse por fé na democracia, eles sabem o trabalhão que isso dá e o desgaste que acarreta. Requer prender um monte de gente, cassar outras tantas. Se houver resistência, torturar e matar. Também exige anular a Constituição e costurar todo um novo ordenamento jurídico, além de, nesse meio-tempo, enfrentar o opróbrio de países antes aliados e de personalidades e instituições internacionais. Se censurar a imprensa, há cinquenta anos, era fácil, com a internet tornou-se difícil, senão impossível. E chegará um tempo, como chegou à ditadura de Getúlio e à dos militares, em que tudo o que foi feito deverá ser desfeito, à custa de outro trabalhão, como o iniciado pelo general Geisel com sua abertura “lenta, gradual e segura”.

Falta as Forças Armadas afirmarem com clareza que não apoiarão delírios golpistas

E, no entanto, desde que Bolsonaro despontou no horizonte, a reação militar a suas ignomínias tem primado pela contemporização. O general Villas Bôas disse uma vez: “Ah, ele é incontrolável”, e deu uma gargalhada, como faria um pai condescendente, até orgulhoso, diante das estripulias do filhinho. Mesmo não sendo mais o comandante, Villas Bôas é considerado um ícone no Exército. E foi a ele que Bolsonaro de novo recorreu, na segunda-feira 30 de março, indo a sua casa para pedir socorro, depois das críticas por ter encenado, no dia anterior, mais um de seus giros pelo comércio de Brasília, em afronta ao isolamento imposto pela epidemia. Villas Bôas não lhe faltou. Postou nas redes: “Pode-se discordar do presidente, mas sua postura revela coragem e perseverança em suas convicções”.

De tapinha nas costas em tapinha nas costas, gestos em que a suave repreensão se confunde com encorajamento, Bolsonaro avançou até expor suas ambições ditatoriais ao modo escandaloso da performance entre baderneiros e subversivos reunidos em frente ao Q.G. do Exército. Não dava para deixar passar batido, e em nota o ministro da Defesa, Fernando Azevedo e Silva, declarou: “As Forças Armadas trabalham com o propósito de manter a paz e a estabilidade do país, sempre obedientes à Constituição Federal”. A menção à Constituição foi um avanço, mas tímido, cheirando a mero cumprimento de dever burocrático. Nas linhas seguintes a nota mudou de assunto, fixando-se no combate à pandemia, quando devia berrar: “As Forças Armadas jamais se envolverão em aventuras golpistas. Quem as defende merece o mais vigoroso repúdio. Falar em ditadura e em Ato 5 é um desvario. Nosso compromisso com a democracia e a liberdade é inabalável”.

A confiança no respaldo militar é o colchão sobre o qual Bolsonaro executa seus saltos mortais. Tire-se esse colchão e a ver se continuará o guri “incontrolável” do general Villas Bôas. O impeachment é inaplicável a um presidente com apoio de um terço do eleitorado. Resta, como recurso para cortar-lhe as asas, a afirmação clara e eloquente de que não deve contar com as Forças Armadas em seus delírios golpistas. Enquanto reinarem a timidez e a ambiguidade, ele terá espaço para avançar, e as Forças Armadas seguirão sob uma nuvem de suspeitas.

Os textos dos colunistas não refletem, necessariamente, a opinião de VEJA

Publicado em VEJA de 29 de abril de 2020, edição nº 2684

Como contê-lo? – ROBERTO POMPEU DE TOLEDO, REVISTA VEJA
Rolar para o topo