Como ser tapeado —e gostar – RUY CASTRO, FOLHA

Nasce um otário por minuto, dizia Barnum; adivinhe quem concorda com ele

Steve Bannon, estelionatário americano inspirador da família Bolsonaro, foi apanhado desviando o dinheiro que seus seguidores supunham ter doado para construir um muro separando os EUA do México. Bem feito para esses seguidores, cujo apoio a projeto tão infame merecia mesmo ter ido para o bolso de seu criador. Mas duvido que tenham se revoltado ao se verem feitos de bobos por Bannon. O otário não se revolta.

“Nasce um otário por minuto”, sentenciou outro americano, P.T. Barnum (1810-1893), showman, político, filantropo, criador do circo moderno e teórico da arte de tapear. Barnum não se referia só ao otário ocasional, que um dia caiu num golpe, mas ao otário renitente, capaz de cair sempre no mesmo golpe.

Vide os corolários de sua tese: “Toda pessoa que foi tapeada uma vez pode ser tapeada de novo”; “Pode-se tapear o máximo de pessoas pelo máximo de tempo”; “Quanto maior o golpe, mais os que caem nele gostam”; e um que se aplica tão bem ao Brasil: “Ninguém jamais perdeu dinheiro por superestimar a ignorância do povo americano”.

Um deputado, por exemplo, que nomeie funcionários fantasmas em seu gabinete, pagos pelo dinheiro público, e use um terceiro para drenar 80% dos salários deles e depositá-los em sua conta, passando primeiro por uma lavanderia que pode ser, digamos, uma loja de chocolates, e tomando o cuidado de fazer isso em dinheiro vivo para evitar radares fiscais —não será isto um golpe delicioso, já que parte do dinheiro foi desviado do bolso inclusive dos que votam no deputado?

E não será melhor ainda quando se sabe que foi praticado por uma família inteira durante 30 anos, envolvendo suas mulheres, ex-mulheres e filhos de várias extrações, tanto para receber quanto para transferir, e os eleitores da dita família acham tudo muito natural?

Não admira que o chefe desta família viva chamando as pessoas de otários. Ele sabe o que diz.

Montado em um cavalo da Polícia Militar, o presidente Jair Bolsonaro acena para apoiadores, durante ato em apoio ao  governo, em Brasília
Montado em um cavalo da Polícia Militar, o presidente Jair Bolsonaro acena para apoiadores, durante ato em apoio ao governo, em Brasília – Pedro Ladeira – 31.mai.20/Folhapress

Ruy Castro

Jornalista e escritor, autor das biografias de Carmen Miranda, Garrincha e Nelson Rodrigues.

Como ser tapeado —e gostar – RUY CASTRO, FOLHA
Rolar para o topo