Confissão de culpa – RICARDO NOBLAT, VEJA.COM

Confissão de culpa

O que interessa ao Supremo

Por Ricardo Noblat – 28 maio 2020, 09h00

Allan dos Santos, é visto depois que os agentes da Polícia Federal deixam sua casa durante uma investigação de notícias falsas, em Brasília Adriano Machado/Reuters

Fake News nada tem a ver com liberdade de expressão. Uma coisa é você fazer uma crítica impiedosa e até injusta contra quem quer que seja, pessoa ou instituição. Outra bem diferente é você, sabendo muito bem o que faz, criar uma notícia falsa e passá-la adiante. Ou recebê-la, sabendo que é falsa, e passá-la adiante.

O inquérito aberto no Supremo Tribunal Federal não está interessado em descobrir quem cria notícia falsa e a repassa. Está interessado na máquina de fabricação e de distribuição em larga escala de notícias falsas, impulsionadas por robôs, e destinadas a destruir a reputação de ministros da Corte. É o que está em questão.

O Supremo quer saber também quem financia manifestações de rua consideradas antidemocráticas, e sua relação com os que de modo organizado disseminam notícias falsas nas redes sociais. Os bolsonaristas sempre negaram que façam isso. Mas sua reação à operação da Polícia Federal é uma deslavada admissão de culpa.

Confissão de culpa – RICARDO NOBLAT, VEJA.COM
Rolar para o topo