Coronavírus reduz favoritismo de Trump – GUGA CHACRA – O GLOBO, RJ

Presidente americano, Donald Trump, em anúncio sobre coronavírus nos EUA

Presidente americano, Donald Trump, em anúncio sobre coronavírus nos EUA | Brendan Smialowski / AFP

Cerca de um mês atrás, Donald Trump parecia estar mais próximo do que nunca de se reeleger. Sua popularidade havia atingido um de seus maiores níveis desde o início de seu mandato. Os índices da Bolsa de Valores em Nova York batiam recordes. Taxa de desemprego seguia abaixo de 4% e o PIB em crescimento.

Para o cenário ficar ainda mais favorável para o presidente, a primária democrata estava indefinida, pulverizada e havia enorme risco de a convenção do partido ocorrer ainda sem um candidato definido.

Nestas duas últimas semanas, tudo mudou. O coronavírus chegou com força aos EUA. Até agora, a performance de Trump para lidar com a epidemia tem sido criticada. Sua popularidade já começou a cair, segundo a média de pesquisas do site de estatísticas Fivethirtyeight. As Bolsas de Valores enfrentam o seu pior momento desde a crise financeira de 2008. O risco de recessão se acentuou.

No campo político, Joe Biden praticamente se consolidou como candidato democrata. Na visão da própria campanha de Trump, o ex-vice-presidente seria o adversário mais complicado eleitoralmente.

Claro que a eleição ainda está distante. Mas não será fácil. Tudo dependerá do impacto do coronavírus nos EUA.


Coronavírus reduz favoritismo de Trump – GUGA CHACRA – O GLOBO, RJ
Rolar para o topo