Corrupção no Ministério da Educação – PEDRO HALLAL, FOLHA


O discurso anticorrupção era só discurso eleitoreiro mesmo

Se não bastasse a pandemia de Covid-19, na qual o Brasil tem uma mortalidade cinco vezes maior do que a média mundial…

Se não bastasse o desemprego de 11%, um dos maiores dos últimos tempos…

Se não bastasse o retorno do fantasma da inflação, estimada em 7% recentemente…

Se não bastasse o preço dos combustíveis, que atinge níveis recordes, prejudica trabalhadores e empresas, e atrapalha o desenvolvimento do país…

Se não bastasse a conta de energia elétrica, uma das mais caras do mundo…

O Brasil ainda precisa conviver com um escândalo assombroso no Ministério da Educação, que levou a saída do titular da pasta. Mas para que os leitores entendam esse roteiro que mais parece uma mistura de terror, comédia e ficção, é necessário lembrar o histórico do atual governo na relação com a educação.

O governo atual foi eleito com um discurso contrário à educação, baseado numa mentira contada mil vezes (mas ainda mentira) de que havia uma dominação dos “comunistas” em todos os espaços educacionais. Mesmo antes de se eleger, pessoas que hoje estão no governo bancaram um projeto ridículo chamado “Escola Sem Partido”, que na superfície usava um discurso de que os professores precisavam ser neutros, mas nas profundezas queria que os professores fossem doutrinados nos métodos terraplanistas e negacionistas. Tanto isso é verdade que, logo após eleito, o atual governo passou a interferir nas universidades, indicando reitores que não foram eleitos em suas comunidades, desde que “rezassem” a cartilha terraplanista e negacionista do governo.

O guru do projeto educacional do governo brasileiro faleceu de Covid-19, uma doença que negava existir e para a qual havia vacina. Aliás, uma vacina que foi desenvolvida em tempo recorde, numa das maiores façanhas da ciência na história.

Durante todo o período do governo atual, foram essas as bizarrices que dominaram o noticiário. Chegamos ao extremo de convivermos com um Ministro da Educação que odiava educação e que, cada vez que se referia às universidades públicas, um patrimônio educacional do país, usava palavras como “balbúrdia”, fantasiava plantações de drogas e disseminava o ódio.

O que se revelou agora é que as bizarrices eram, na verdade, cortinas de fumaça para o verdadeiro projeto de educação do atual governo: a corrupção.

Os cortes de verba, que inviabilizam a pesquisa científica no país…

Os cortes de bolsas, que fazem com que nossos maiores talentos vão para o exterior…

Os cortes de orçamento, que sucateiam as universidades que formaram as maiores lideranças do Brasil…

Os ataques às universidades, que nos últimos anos ganharam a cara do povo…

Todo esse projeto escondia o que há de pior na política brasileira: um esquema de corrupção que começa a desmoronar. Entre barras de ouro, pastores, infidelidades e propinas, o dinheiro da educação brasileira ia se distanciando de nossas crianças e enchendo o bolso daqueles que defendem uma educação para poucos, os mesmos que defendem armas ao invés de livros.

Será que vamos esperar que comecem os tiroteios em escolas, matando as nossas crianças, para nos darmos conta de que esse projeto não serve para o Brasil?

Corrupção no Ministério da Educação – PEDRO HALLAL, FOLHA
Rolar para o topo