CPI quer apurar interesses de Flávio Bolsonaro no Ministério da Saúde – BERNARDO MELLO FRANCO, GLOBO

PRESSÃO POR CARGOS

CPI quer apurar interesses de Flávio Bolsonaro no Ministério da Saúde

Por Bernardo Mello Franco04/05/2021 • 09:00O senador Flávio Bolsonaro na abertura da CPI da CovidO senador Flávio Bolsonaro na abertura da CPI da Covid | Edilson Rodrigues/Agência Senado

A CPI da Covid quer apurar uma história nebulosa que envolve o senador Flávio Bolsonaro e a pressão por cargos no Ministério da Saúde.

Em janeiro de 2020, o então ministro Luiz Henrique Mandetta recebeu instruções para exonerar quatro integrantes de sua equipe. A lista incluía o secretário-executivo João Gabbardo, seu número dois na pasta

O Planalto encaminhou quatro nomes que deveriam passar a ocupar os cargos. Em comum, todos eram do Rio de Janeiro e não possuíam experiência em gestão do SUS.

Contrariado com a interferência, Mandetta pediu uma reunião no Palácio da Alvorada, onde ouviu de Jair Bolsonaro que seus auxiliares não eram “gente nossa”.

Segundo o relato do ex-ministro, o presidente informou que as sugestões de troca haviam partido do primeiro-filho.

Ao contar a história, Mandetta sugere que Flávio estava interessado em contratos milionários na pasta. Além de Gabbardo, o senador queria trocar dois secretários e o diretor de informática dos SUS.

“Quem articulou as exonerações e impôs os novos nomes mirava o controle de mais de 80% do orçamento do Ministério da Saúde”, escreveu o ex-ministro no livro “Um paciente chamado Brasil: Bastidores da luta contra o coronavírus”.

Mandetta propôs um acordo para segurar seus auxiliares: em troca da permanência deles, cederia o controle dos hospitais federais do Rio, onde Flávio poderia indicar “quem quisesse”.

Na semana passada, o filho do presidente usou um argumento inusitado para protestar contra a instalação da CPI da Covid.

Apesar de ser contrário às políticas de distanciamento social, ele alegou que as reuniões da comissão causariam risco à saúde de senadores e assessores.

MILÍCIAS NOS HOSPITAIS

No início do governo Bolsonaro, os hospitais federais do Rio apareceram em outra história mal explicada.

O então ministro da Secretaria-Geral da Presidência, Gustavo Bebianno, sugeriu que as milícias exerciam influência sobre a direção do Hospital Geral de Bonsucesso.

Onze dias depois de trazer o assunto à tona, Bebianno foi demitido. Ele se tornou o primeiro ministro a cair da gestão do capitão.

CPI quer apurar interesses de Flávio Bolsonaro no Ministério da Saúde – BERNARDO MELLO FRANCO, GLOBO
Rolar para o topo