DE VOLTA Á FRIGIDEIRA – BERNARDO MELLO FRANCO, O GLOBO, RJ

O CAPITÃO E O JUIZ

De volta à frigideira, Moro ameaça Bolsonaro

Jair Bolsonaro e Sergio Moro no lançamento da campanha "Agenda Positiva Regional"

Jair Bolsonaro e Sergio Moro no lançamento da campanha “Agenda Positiva Regional” | Adriano Machado/Reuters

Moro volta à frigideira

Durou pouco a alegria de Sergio Moro com a derrubada do juiz de garantias. Na quarta-feira, o ministro da Justiça comemorou a liminar que anulou sua maior derrota no governo. Na manhã seguinte, acordou com a notícia de que Jair Bolsonaro voltou a se movimentar para esvaziá-lo.

Em menos de 24 horas, o ministro mais popular do governo foi da festa à frigideira. Ao admitir a recriação do Ministério da Segurança Pública, Bolsonaro ameaçou reduzir os poderes de Moro na Esplanada. Numa só tacada, o ex-juiz perderia o controle da Polícia Federal, da Polícia Rodoviária Federal e do Departamento Penitenciário Nacional.

A mudança tomaria de Moro o figurino de xerife. O ministro vem capitalizando a queda no número de homicídios, embora o fenômeno tenha começado no governo Michel Temer. Se a segurança migrar para outra pasta, ele não poderá mais colher louros pela redução da violência.

Bolsonaro vê o auxiliar como um potencial adversário em 2022. Ele já ofereceu a vaga de vice em sua chapa à reeleição, mas Moro não mordeu a isca. Agora o presidente volta a mostrar quem é o “capitão do time”, nas palavras do ministro Augusto Heleno.

O movimento de ontem reacendeu a rivalidade entre bolsonaristas e lavajatistas. As duas claques reabriram a guerra virtual, com provocações abertas e ameaças veladas. Contrariado, o ex-juiz mandou novos recados de que pode pedir demissão.

Além da disputa eleitoral, trava-se um duelo pelo comando da PF. Bolsonaro já tentou trocar o diretor-geral da polícia, mas Moro bateu o pé e conseguiu manter o aliado Maurício Valeixo. O ex-deputado Alberto Fraga, cotado para assumir o Ministério da Segurança Pública, não hesitaria em rifar o delegado.

Um novo chefe da PF teria influência direta sobre as investigações que envolvem o caso Marielle Franco e a atuação das milícias no Rio. São dois temas sensíveis à família presidencial, como Moro faz questão de lembrar em conversas reservadas.

DE VOLTA Á FRIGIDEIRA – BERNARDO MELLO FRANCO, O GLOBO, RJ
Rolar para o topo