DESTRUINDO POLÍTICAS PÚBLICAS – BRUNO BOGHOSSIAN – FOLHA DE SP

Governo dá mais um passo na destruição de políticas públicas

Novo presidente de fundação ligada ao movimento negro quer o fim do movimento negro

Depois de ter nomeado um ruralista para o serviço de proteção de florestas, uma antifeminista para elaborar programas para as mulheres e um professor que detesta universidades públicas para cuidar da educação, o governo Jair Bolsonaro deu mais um passo em seu projeto de destruição de políticas públicas.

Novo chefe da Secretaria de Cultura, o dramaturgo Roberto Alvim começou a aparelhar sua pasta com nomes que parecem se esforçar apenas para dilapidar as ações dedicadas à área. Ele escalou militantes ultraideológicos para uma cruzada ressentida contra o setor.

A escolha do time parece até zombaria. A secretária de Audiovisual nunca trabalhou na área e acha que o setor deve trabalhar pelo resgate dos “bons costumes”. Já o presidente da fundação que promove a cultura afro-brasileira afirma que a escravidão foi “benéfica para os descendentes” dos africanos.

A frase foi publicada em agosto pelo jornalista Sérgio Nascimento de Camargo, que agora comanda a Fundação Nacional Palmares. O órgão foi criado em 1988 para preservar os valores e a influência negra na sociedade brasileira.

Sérgio Nascimento de Camargo, novo presidente da Fundação Palmares – Reprodução da internet

O instituto passou a ser chefiado, nesta quarta (27), por alguém que acredita que o movimento negro deveria ser “extinto”. O jornal O Globo noticiou que Camargo já escreveu numa rede social que tem “vergonha e asco da negrada militante”.

Se depender dele, o trabalho da fundação deve seguir essa linha. Numa nota publicada por uma amiga, o novo dirigente declarou que vai implementar “grandes e necessárias mudanças” e que sua atuação será norteada pelos princípios “que conduzem o governo Bolsonaro”.

A nomeação segue à risca os planos do secretário do setor. Em vez de cuidar dos programas da área, Alvim se dizia mais interessado em “criar uma máquina de guerra cultural”.

Depois do primeiro turno da eleição de 2018, Bolsonaro afirmou que queria dar “um ponto final em todos os ativismos do Brasil”. Ele continua disposto a cumprir essa promessa.

MEU COMENTÁRIO:

AS PESSOAS QUE NOMEIAM E AS QUE FORAM NOMEADAS – AMBAS – DEVERIAM LER URGENTEMENTE O PRIMEIRO VOLUME DO LIVRO “ESCRAVIDÃO” DO HISTORIADOR LAURENTINO GOMES.

DUVIDO QUE APÓS ESSA LEITURA, SEJAM ESTÚPIDAS O SUFICIENTE PARA SUSTENTAR O INSUSTENTÁVEL: A ESCRAVIDÃO DOS NEGROS AFRICANOS FOI UMA PÁGINA TRÁGICA EM NOSSA HISTÓRIA E AINDA VAI LEVAR MUITO TEMPO PARA NOS LIVRARMOS DESSE FUNESTO LEGADO.

DESTRUINDO POLÍTICAS PÚBLICAS – BRUNO BOGHOSSIAN – FOLHA DE SP
Rolar para o topo