Ditadura privou uma geração inteira de educação política – RUY CASTRO, FOLHA

Uma geração inteira impedida de representação, participação e educação política

Segundo o Datafolha, metade da população brasileira não sabe o que foi o AI-5, nem quem o decretou, quando, onde e por que. A mesma metade ouviu falar de uma “guerrilha”, mas não tem ideia das circunstâncias que a levaram a acontecer e do que gerou de violência e atingiu até quem, dos dois lados, não tinha nada a ver. E mais dessa metade não conhece a expressão “milagre brasileiro”, nem sabe que, por trás do festival de obras da ditadura —usinas, estradas, pontes, tudo gigantesco e inflado por bilhões em propaganda—, havia uma sensação geral de grossa corrupção. Corrupção essa que nem a censura à imprensa conseguia esconder.

Os que hoje acreditam que a ditadura foi uma maravilha ignoram que, por muitos dos 21 anos que ela durou, militares na ativa e de qualquer patente evitavam andar fardados na rua, para não se exporem a uma hostilidade muda. Por sorte, não tinham de andar muito, porque, naqueles 21 anos, não lhes faltavam carros oficiais, gabinetes refrigerados e sinecuras em recém-criadas estatais. Mas o carioca observava suas súbitas mudanças de endereço, da região do Maracanã, onde tradicionalmente moravam, para os bairros à beira-mar.

O povo percebia as trapaças do regime para simular legalidade, como os atos que instituíram o voto indireto, a nomeação de senadores e governadores e a constante mudança nas regras do jogo a favor do partido do poder, a Arena. Na primeira oportunidade que lhe deram para votar, em 1973, o povo aplicou-lhe memorável tunda, elegendo uma esmagadora maioria de deputados da oposição consentida, o MDB.

Em 1º de abril de 1964, muitos brasileiros tinham, como eu, 16 anos. Só iríamos votar para presidente da República em 1989, aos 41. Uma geração inteira foi privada de educação política.

Foi também privada de opinião, representação e participação. Enfim, foi uma privada.

Bolsonaro com militares no 26º Batalhão de Infantaria de Paraquedistas – Marcos Correa/PR

Ruy Castro

Jornalista e escritor, autor das biografias de Carmen Miranda, Garrincha e Nelson Rodrigues.

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.

LUIZ ALBERTO SERENINI PRADO

Há 5 min

Faltou dizer que os inteligentes politicamente aderiram à solução de golpes sobre golpes so longo do tempo. Até chegar onde chegamos. Faltou dizer que esta Folha, que apoiou todos os golpes recentes, agora se apresenta como líder de uma campanha redentora, que em última análise seria outro golpe. Acho que a falta de educação política chegou e parou por aí. RESPONDA 0 DENUNCIE

LUIZ ALBERTO SERENINI PRADO

Há 5 min

Faltou dizer que os inteligentes politicamente aderiram à solução de golpes sobre golpes so longo do tempo. Até chegar onde chegamos. Faltou dizer que esta Folha, que apoiou todos os golpes recentes, agora se apresenta como líder de uma campanha redentora, que em última análise seria outro golpe. Acho que a falta de educação política chegou e parou ppr aí. RESPONDA 0 DENUNCIE

ANTENOR MAGNO

Há 1 hora

Além de imobilizar a população e causar desinformação, teve a inflação que remarcava preços e mudava de moedas diariamente. Esse governo atual só provou que os militares no poder só servem para atrapalhar e dar aumento de soldo e privilégios para eles mesmos, nun caso vergonhoso de benefícios em causa própria. RESPONDA 0 DENUNCIETODOS OS COMENTÁRIOS (8)COMENTE** Apenas para assinantes da Folha

receba notícias da folha

relacionadas

Ditadura privou uma geração inteira de educação política – RUY CASTRO, FOLHA
Rolar para o topo