Drauzio Varella desmonta 14 fake news sobre coronavírus – FOLHA

Informações incorretas vão do uso de vitamina C como prevenção à possibilidade de a vacina contra influenza facilitar infecção pelo novo vírus

Amon Borges Matheus Moreira Victor Parolin SÃO PAULO

Às vésperas de completar um mês do primeiro caso do novo coronavírus no Brasil, governos estaduais e federal adotaram medidas que vão da recomendação de isolamento social ao fechamento obrigatório do comércio nos grandes centros urbanos.

Com o agravamento da situação e a previsão de que o pico da doença ainda está por vir, o medo toma conta das redes sociais e aplicativos de mensagens, criando terreno fértil para as fake news (notícias falsas).

Áudios, vídeos e imagens com todo tipo de recomendações são compartilhados à exaustão, muitos com informações incorretas e/ou imprecisas.

Para combater a disseminação de notícias falsas que possam colocar em risco a saúde da população e a tomada de decisão pelo poder público, a Folha liberou o acesso às matérias que tratam do coronavírus e criou um canal direto com o leitor para receber suas dúvidas: duvidascoronavirus@grupofolha.com.br.

Folha também convidou o médico e escritor Drauzio Varella, 76, para desmontar algumas das fake news mais recorrentes.

>

Entre as informações falsas está a que aponta o álcool como a única forma de higienizar as mãos. Drauzio explica que o uso do álcool em gel com concentração de 70% serve, na verdade, como alternativa para uso da água e sabão em casos nos quais não é possível lavar as mãos.

Todos os dias, imagens de pessoas usando máscara são publicadas por jornais, inclusive por esta Folha. Diante disso, circula também a informação de que se deve usar máscara para se proteger do vírus.

Drauzio afirma que o uso de máscara não impede a infecção de acontecer porque também é possível ser contaminado ao coçar os olhos, por exemplo, caso o vírus esteja na mão.

O médico aponta que a máscara deve ser usada apenas por pessoas que estão com sintomas como tosse, febre, coriza, sinais comuns tanto à gripe (influenza) quanto ao coronavírus. Segundo ele, caso você acorde com algum dos sintomas, é importante usar o equipamento para evitar contaminar as pessoas com quem convive.

Além disso, tocar a máscara pode tornar o seu uso inútil, uma vez que a parte externa pode carregar o vírus. Com o toque para ajustar o equipamento no rosto, por exemplo, é possível que a mão passe a carregar o vírus também e, se levada aos olhos, o vírus encontrará um caminho para infectar.

Sobre a ingestão de vitamina C, amplamente difundida como medida de prevenção, Drauzio é categórico: Não funciona. “Vitamina C não tem nenhuma função nessa situação, não perca tempo com isso”, diz.

Dr Drauzio Varella de camisa azul clarinha sentado, com as mãos sobre a mesa
Drauzio Varella, 76, médico cancerologista, desmonta 14 fake news sobre coronavírus – Bruno Santos/Folhapress

Outro ponto abordado pelo médico é a possibilidade de impedir a transmissão do novo coronavírus fazendo gargarejo com vinagre ou água morna com sal.

O vinagre é inútil neses casos. Mas nem toda a mensagem é descartável. Isso porque o uso de água com sal para gargarejo ou com seringas diretamente no nariz (bem como beber água com regularidade) ajudam a hidratar as vias aéreas. “Quanto mais ressecadas estiverem as mucosas, mais suscetíveis e sensíveis elas ficam a infecção por vírus e bactérias”, diz Varella.

Drauzio Varella desmonta 14 fake news sobre coronavírus – FOLHA
Rolar para o topo