Em vez de inflação e fome, Bolsonaro fala de armas e guerra civil – VINICIUS T.FREIRE,FOLHA

Em vez de inflação e fome, Bolsonaro fala de armas e guerra civil
Em discurso, presidente reapresenta seu programa, minimiza inflação e fala de povo armado

A inflação anual é a maior em quase 20 anos. Passou de 12% em abril. Deve permanecer acima de 10% até setembro, à beira da eleição. Em grande parte, é resultado de choques mundiais graves, piorados pela desvalorização brutal do real em 2020 e 2021.

Qualquer governo teria dificuldade de ao menos atenuar esses choques (Covid e suas sequelas, crise de energia, Guerra da Ucrânia etc.). Em um país com estabilidade econômica e política, a alta do dólar poderia ter sido menor.

É fácil perceber que a economia fica à deriva em um país desgovernado, submetido aos objetivos de um projeto autoritário e sob a regência da incompetência e de parlamentares negocistas.

O indivíduo que ocupa a cadeira de presidente procura então não apenas camuflar a ruína, mas o faz reafirmando seu programa de desmonte, “contra o sistema”. Junta a fome com a vontade de poder autoritário, até mesmo por meio do conflito armado.

Faz tempo que a ingenuidade tola ou conivente afirma que Jair Bolsonaro lança cortinas de fumaça quando aparecem mais notícias sobre a ruína que promove. É uma verdade mal compreendida por quem a enuncia.

A fumaça é tóxica, uma arma química. A cada lançamento de gases venenosos o país e suas instituições são intoxicadas com ameaças mortais.

Nesta quarta-feira, por exemplo, Bolsonaro reafirmou seu programa de poder, desta vez o associando à possibilidade de guerra civil. Não é bem novidade, em sua carreira de crimes, em que já pregou o conflito armado, morte em massa, fuzilamentos, tortura e genocídio de indígenas.

“Somente os ditadores temem o povo armado. Eu quero que todo cidadão de bem possua sua arma de fogo para resistir, se for o caso, à tentação de um ditador de plantão”, começou Bolsonaro, com sua defesa habitual do armamento civil. Armas serviriam para a defesa de ameaças externas (contra a invasão da Amazônia, por exemplo), mas não principalmente.

“Vocês sabem que a pior ameaça não é externa, é interna, de comunização do nosso país. Nós não chegaremos na situação em que vive atualmente a Venezuela”, discursou o indivíduo que ocupa a cadeira de presidente da República.

O que é a “comunização”? Poderia ser qualquer coisa, pois Bolsonaro e sua seita já disseram que todos os governos, depois da ditadura até o dele, foram de esquerda. Já disse que venceu a eleição de 2018 no primeiro turno, mas foi roubado. Vale tudo. Mas Bolsonaro definiu o inimigo que pode ser objeto de revolta armada.

“Todos nós sabemos quem defende aquele regime e quem defende seu ditador. Não queremos cores diferentes da verde e amarela na nossa terra. Dizer a vocês que o outro lado quer exatamente o diferente de nós. Nós defendemos a família, nós somos contra o aborto, somos favoráveis ao armamento para o cidadão de bem, somos contra a ideologia de gênero, nós somos pela liberdade da nossa economia e somos acima de tudo pela nossa liberdade de expressão” —assim definiu o “outro lado”, que defende a “comunização” do Brasil.

É um programa, é uma ameaça, é um projeto de subversão da ordem (não há Poderes instituídos, o Estado deixa de ter o monopólio legal da força, “inimigos” políticos em última ou em alguma instância podem ser objeto de revolta armada).

“E para vocês, família brasileira, a arma de fogo é uma defesa da mesma e é um reforço para as nossa Forças Armadas porque o povo de bem armado jamais será escravizado”. As Forças Armadas teriam o apoio de algo como milícias.

Sim, parece um projeto de Venezuela, diga-se de passagem. Mais grave, por ora, é que a baderna e a subversão armadas entraram de vez na conversa, assim como Bolsonaro já normalizara tantas atrocidades. ​

Em vez de inflação e fome, Bolsonaro fala de armas e guerra civil – VINICIUS T.FREIRE,FOLHA
Rolar para o topo