Espera inútil por moderação garante impunidade a Bolsonaro – BRUNO BOGHOSSIAN, FOLHA

Espera inútil por moderação garante impunidade a Bolsonaro
Negacionistas da delinquência presidencial, políticos e juízes aceitam radicalismo mortífero

No penúltimo domingo de maio, Jair Bolsonaro provocou aglomeração durante um protesto contra o Congresso e o STF. Na terça, Rodrigo Maia fez na Câmara um “convite à pacificação dos espíritos”. Dois dias depois, o presidente foi à portaria do Palácio da Alvorada e, aos gritos, lançou sua infame advertência ao Supremo: “Acabou, porra!”.

A eterna ilusão de que Bolsonaro se tornaria um governante moderado circula há dois anos em Brasília. Na pandemia, essa fantasia ainda engana autoridades que aguardam pacientemente uma mudança de comportamento na gestão da crise. Essa esperança inútil legou ao país a tragédia impulsionada pelo radicalismo mortífero do presidente.

Rodrigo Maia não foi um negacionista da delinquência bolsonarista, mas eles estão por aí. No fim de 2020, um dos principais líderes do centrão dizia que a imagem desastrosa do governo na pandemia era “má vontade da mídia” e que o presidente havia abandonado o extremismo. “Ele notou que aquilo era um erro”, disse o senador Ciro Nogueira.

Ainda há quem espere mudanças. No auge da crise, o presidente do Senado disse que é hora de “sentar à mesa” e pediu “a coordenação do presidente da República”. O chefe da Câmara afirmou que é preciso “evitar essa agonia e esse vexame internacional”. Os dois estão atrasados.

No STF, Luiz Fux telefonou para o Planalto ao saber que Bolsonaro havia citado um cenário de estado de sítio ao ameaçar uma “ação dura” contra governadores que implantaram medidas de restrição. O autor da bravata disse que aquilo não era verdade, e o ministro se deu por satisfeito. Bolsonaro sabe que os negacionistas vão deixar por isso mesmo.

Bruno Boghossian
Jornalista, foi repórter da Sucursal de Brasília. É mestre em ciência política pela Universidade Columbia (EUA).

Espera inútil por moderação garante impunidade a Bolsonaro – BRUNO BOGHOSSIAN, FOLHA
Rolar para o topo