ESPERANÇA NÃO É ESTRATÉGIA – ELIO GASPARI – O GLOBO, RJ

Serenidade inquietante

A serenidade de Guedes inquieta

A Bolsa de Nova York teve a maior queda desde a crise de 2008, a de São Paulo suspendeu o pregão, fechou com um tombo de 12%, e o dólar bateu em R$ 4,73. Diante desse quadro, o doutor Paulo Guedes disse que “estamos absolutamente tranquilos”, pois sua equipe “é serena, experiente”. Nada contra, salvo os precedentes.

Em 2008 Lula disse que a Grande Recessão americana chegaria ao Brasil como uma “marola”. Deu no que deu. Em 1979 e 1980, diante de uma alta de petróleo e dos juros americanos, o governo brasileiro (e o FMI) garantiam que a dívida externa seria administrável. O país quebrou, entrando na sua Década Perdida. Em 1973, quando o mundo sofreu o primeiro choque do petróleo, o Brasil era apresentado com uma “ilha de tranquilidade”.

Paulo Guedes deve ter seus motivos para estar tranquilo, mesmo que seja um dos poucos ministros da Economia com essa serenidade. Seus antecessores acreditaram que crises podiam ser mitigadas com otimismo. Como ensinou Tim Geithner, o ex-diretor do Federal Reserve Bank de Nova York e ex-secretário do Tesouro americano, que toureou a crise de 2008, “esperança não é estratégia”.

Ninguém explicou a origem do pânico financeiro das últimas semanas. Atribuí-lo ao coronavírus é pouco. Se for só isso, a economia mundial tomará um tombo em 2020. Em 1973, quando os países exportadores de petróleo começaram a aumentar o preço do barril, poucos se deram conta do tamanho da encrenca. Seis anos depois, quando o aiatolá Khomeini derrubou o xá do Irã, e provocou a segunda alta do petróleo, muita gente achava que ele era um velhinho bondoso de barbas brancas. Em 2008, quando o economista Nouriel Roubini previa a crise bancária, chamavam-no de “Doutor Fim do Mundo”. Ele virou profeta e, na segunda-feira, diante da queda do preço do petróleo somada ao coronavírus, tuitou: “recessão e crise à vista”.

A serenidade de Guedes inquieta quando ele diz que “a democracia brasileira vai reagir, transformando essa crise em avanço das reformas”. Uma coisa tem muito pouco a ver com a outra. Viu-se isso com o pibinho que se seguiu à reforma da Previdência. Essa e todas as propostas de Guedes podem melhorar a situação da economia, mas são mudanças de médio prazo. Democracia não reage, apenas existe ou deixa de existir. Misturando-se banana com laranja consegue-se apenas travestir um mau cenário econômico, fantasiando-o como questão política.

A crise de 2008 deveu muito a um clima de festa da banca, mas quando um sujeito é responsável pela administração de uma economia deve conhecer seus limites. Em março daquele ano, quando a banca não falava em crise, o presidente George Bush submeteu ao seu secretário do Tesouro, Henry Paulson, um discurso onde diria que o governo não salvaria empresas. Paulson surpreendeu-o pedindo-lhe que cortasse a afirmação. Em setembro o mundo caiu. Ele conhecia o mercado e evitou que o presidente dissesse algo que poderia obrigá-lo a desmentir-se.

O Fed de Nova York tem hoje uma caçadora de encrencas potenciais no comportamento e nas certezas dos banqueiros. Ela se chama Margaret McConnell e ensina: “Nós gastamos tempo procurando pelo risco sistêmico, mas é ele quem tende a nos achar.

ESPERANÇA NÃO É ESTRATÉGIA – ELIO GASPARI – O GLOBO, RJ
Rolar para o topo