FACEBOOK DEIXA ENREDO DE BOLSONARO SEM NEXO – JOSIAS DE SOUZA, BLOG DO JOSIAS NO UOL

A Covid-19 não conseguiu tirar do ar a live semanal de Jair Bolsonaro. Mesmo tossindo, o presidente realizou sua tradicional transmissão das noites de quinta-feira. Falou sobre a decisão do Facebook de desligar da tomada a rede de desinformação vinculada ao Planalto, aos seus filhos e a parlamentares aliados. O discurso de Bolsonaro envelheceu. Soou desconexo.

O presidente calou sobre o essencial. Não disse nada a respeito do seu assessor especial Tércio Arnaud Tomaz, a face do Planalto na rede tóxica do bolsonarismo. Desafiou a imprensa a apontar mensagens de ódio no seu Facebook ou nas páginas dos filhos. Elas até existem. A questão é que as contas desativadas não são as oficiais, mas as falsas, concebidas com o propósito deliberado de ludibriar.

Bolsonaro defendeu a liberdade de expressão. Mas o que se bloqueou foi a liberdade de empulhação. O presidente declarou, de resto, estar sendo perseguido. O diabo é que a ação decorre de auditoria encomendada pelo Facebook, que alcançou 11 países.

Para que a tese da perseguição ficasse em pé seria necessário incorporar ao rol de perseguidores de Bolsonaro os cerca de 400 grupos econômicos que ameaçaram cortar ou cortaram verbas publicitárias do Facebook, para forçar a plataforma a agir contra a desinformação e o ódio. A lista inclui Coca-cola, Unilever, Ford, Volkswagen, Starbucks, Adidas…

Além de não haver comunistas na relação de hipotéticos perseguidores de Bolsonaro, o WhatsApp, aplicativo pertencente ao Facebook, desabilitou há 15 dias uma dezena de contas do PT. Alegou-se que operavam de maneira automatizada. Quer dizer: Bolsonaro precisa atualizar o seu enredo. O atual perdeu o prazo de validade.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

FACEBOOK DEIXA ENREDO DE BOLSONARO SEM NEXO – JOSIAS DE SOUZA, BLOG DO JOSIAS NO UOL
Rolar para o topo