FRITADA DE MORCEGO NO MENU – ELIO GASPARI – FOLHA E GLOBO

Elio Gaspari Foto: OGlobo

Bolsonaro junta ignorância e autoritarismo

Ganha uma fritada de morcego do mercado chinês de Wuhan quem for capaz de mencionar uma só fala de Jair Bolsonaro que tenha contribuído para o bem-estar da saúde nacional desde o começo da pandemia do coronavírus. Mesmo quando ele fez um arremedo de conserto, dizendo que “se algum de nós extrapolou ou até exagerou, foi no afã de buscar solução”, estava iludindo a boa-fé do público. Um dia antes ele havia dito “não vou tomar a vacina e ponto final”.

A “gripezinha” e a cloroquina se tornaram símbolos do amargo folclore do capitão. A eles, juntam-se outros, como o estímulo ao desmatamento, as “rachadinhas” de Fabrício Queiroz e o orgulho de seu chanceler ser um pária no cenário internacional. Nunca na História do Brasil o trem parou e o maquinista queria andar para trás. Ele parava, mas discutia-se quando voltaria a andar para a frente.

Há em Bolsonaro uma perigosa mistura de ignorância pessoal com autoritarismo político. Ele pode ter acreditado na “gripezinha” ou mesmo nos efeitos milagrosos da cloroquina. Chamou a possibilidade de segunda onda de “conversinha”; na quinta-feira, voltou-se ao registro de mil mortes por dia. Talvez tenha apenas apostado, mas, nesse caso, estaria apenas exercitando a ignorância de outra maneira. O perigo mora na mistura com o mandonismo.

Bolsonaro irradiou esse comportamento pela sua administração, produzindo apenas uma bagunça arrogante. Por exemplo: em outubro o general-ministro Eduardo Pazuello disse que “a vacina do Butantan será a vacina do Brasil”. No dia seguinte, Bolsonaro acordou cedo e respondeu no Facebook que a vacina “NÃO SERÁ COMPRADA”. Como se viu, será comprada e oferecida, pois o capitão ficou preso num cadeado do governador João Doria.

O general Pazuello disse a parlamentares: “Não falem mais em isolamento social”. Pensou que falava a uma plateia de tenentes. Ele perguntou: “Para que essa ansiedade, essa angústia?” E depois explicou que sua frase foi tirada de contexto, desculpando-se. É o caso de se perguntar qual medicação está tomando desde que teve alta da Covid.

Já um diplomata de carreira designado para Embaixada junto à Organização das Nações Unidas em Genebra, recusou-se a responder a uma pergunta da senadora Kátia Abreu dizendo que não estava “mandatado“ para isso. Tomou um contravapor do senador Major Olímpio e perdeu o cargo. Foi rejeitado por 37 votos contra nove. (Afora o mau português, podia ter respondido de outra forma, mesmo sem dizer nada.) Trabalhando com um chanceler que se orgulha de ser pária, o embaixador levou a excentricidade para o lugar errado.

A pandemia expôs a bagunça diante de uma dificuldade que daqui a pouco terá matado 200 mil pessoas. Os brasileiros ligam as televisões e veem cenas de imunização nos Estados Unidos, na França, na Inglaterra e na Arábia Saudita. Como lembrou Fernando Gabeira, só em Pindorama a vacinação virou tema de debate.

Eremildo, o idiota

Eremildo é um idiota. Nunca tomou vacina nem vai tomar. Por isso também acha que o Supremo Tribunal Federal tomou “uma medida inócua”.

O que o cretino não entendeu foi outra frase de Bolsonaro: “Quando se fala em vacinação e saúde, tem que ter uma hierarquia.”

Eremildo torce para que o presidente explique como funcionará essa hierarquia e se dispõe a ir de casa em casa levando cloroquina para quem ficar de fora.

Eu apalpo, você fica nervosa

O deputado Fernando Cury (Cidadania) apalpou sua colega Isa Penna, ao vivo e a cores, diante da Mesa Diretora da Assembleia Legislativa de São Paulo. (Ela estava de costas). Depois do episódio, o presidente da Casa, Cauê Macris, disse que não poderia liberar as imagens. Pressionado pela deputada e pelas lideranças partidárias, mudou de ideia.

Casado, Cury foi à tribuna, reiterou um pedido de desculpas e disse que jamais tomou intimidades indevidas com mulher alguma. O doutor tem o benefício da dúvida e empenhou sua palavra.

A porca torce o rabo quando se vê que, no dia seguinte, Cury foi à tribuna e, explicando-se, disse que depois de ter sido apalpada, sua colega “estava nervosa”, “ficou brava” e, diante de uma nova tentativa de pedido de desculpas, “ela começou a gritar, a me xingar”.

Certo mesmo é que Fernando Cury se defende recriminando a conduta de uma mulher, nervosa, brava, xinguenta e gritona.

Está tudo na rede: o vídeo da apalpada, o discurso da deputada e a explicação de Cury.

Forster e Biden

Os trechos conhecidos dos telegramas mandados pelo embaixador brasileiro em Washington, Nestor Forster, depois da vitória de Joe Biden ilustram a bagunça que o orgulhoso pária Ernesto Araújo impôs à Casa do Barão.

Forster foi aplicado ao mostrar que Donald Trump pretendia contestar a vitória de Biden. Nesse sentido, fez seu serviço. Em nenhum momento o embaixador sugeriu que Bolsonaro cumprimentasse o vencedor. Poderia ter feito, mas também não sugeriu o contrário. Os Estados Unidos não são uma ilha perdida, para que o cumprimento ao eleito dependa de sugestão do embaixador.

Quem levou 38 dias para reconhecer a vitória de Biden foi Jair Bolsonaro.

Forster foi para a linha de tiro pelas convicções bolsonaristas que o levaram ao cargo.

O preço da xenofobia

A Alemanha bloqueou a entrada da Turquia na Comunidade Europeia por diversos motivos, entre eles, o discreto racismo de uma parte de sua população contra imigrantes.

Há décadas a Alemanha não fazia uma boa figura no mundo da tecnologia como a que conseguiu agora com a vacina desenvolvida pelo seu laboratório BioNtech, para a Pfizer americana. Sediado em Mainz, foi criado por um casal de turcos. Ele, nascido em Iskenderun; ela, filha de um médico que emigrou.

Promoções militares

A bagunça bolsonariana funciona até quando o capitão volta atrás. Três dias depois de ter acabado com as promoções por antiguidade de oficiais aos postos de coronel ou capitão de mar e guerra, ele revogou o ato.

O decreto revogado não era um jabuti. A ideia do fim da promoção por antiguidade nessa patente se ampara em bons argumentos e foi proposta por autoridades militares que entendem do assunto.

A piada tem um século, mas quando um oficial disse ao major Joseph Veller, da missão militar francesa, que um colega aprenderia com a experiência, ele respondeu:

O burro do Duque de Saxe assistiu mais de cem batalhas e continuou sendo um burro”.

Contem outra

Há algo no ar além do vírus. Quatrocentos empresários tinham marcado para a quinta-feira um almoço em homenagem ao presidente Jair Bolsonaro e seu antecessor, Michel Temer. No domingo, o ágape foi cancelado, diante do aumento do número de casos de Covid.

Contem outra. Dias antes do cancelamento, quando os convites circulavam, pela média móvel semanal estavam morrendo 544 pessoas.

Bolsonavac

O governador João Doria continua sob os efeitos de sua Bolsonavac.

Em uma semana, limitou-se a dar uma breve resposta às provocações de Bolsonaro. Preferiu presenciar o desembarque de vacinas.

FRITADA DE MORCEGO NO MENU – ELIO GASPARI – FOLHA E GLOBO
Rolar para o topo