INFERNO DE DANTE – RUY CASTRO – FOLHA DE SP

Curso intensivo em cinco parágrafos para o novo presidente da Funarte

Dante Mantovani, o homem a quem Bolsonaro entregou a Funarte, órgão de fomento ao teatro, música, dança, circo e artes visuais no Brasil, declarou na terça-feira (3) que “o rock ativa a droga, que ativa o sexo, que ativa a indústria do aborto, que por sua vez alimenta uma coisa muito mais pesada, que é o satanismo”. Dante Mantovani deve saber o que diz. Mas, para seu conhecimento, aqui vão algumas informações.

Ao dançar o minueto, no século 18, os casais não se tocavam, o que os levava a sensações lúbricas que lhes provocavam terríveis sonhos eróticos, que ativavam o aborto, que, por sua vez, alimentava o satanismo. No século 19, surgiu a valsa, em que os casais dançavam entrelaçados, o que os levava a perigosas intumescências e lubrificações, e isso ativava o aborto, que por sua vez alimentava o satanismo. E o maxixe, a dança favorita dos hereges dos anos 1920, consistia de um entrelaçamento tão radical de pernas que até as tíbias e os joanetes tinham ereções, e isso, claro, ativava o aborto, que por sua vez alimentava o satanismo. 

No flamenco, tradicional dança espanhola, as mulheres sapateiam em cima das mesas, chutando canecas e mostrando as coxas, enquanto os homens tocam alucinadamente castanholas, o que ativa o aborto, que por sua vez alimenta o satanismo. E o chá-chá-chá, dança cubana introduzida em 1960 por Fidel Castro no Brasil, seduziu uma menina chamada Teresinha. Todo dia ela dançava o chá-chá-chá, e isso a levou ao aborto, que por sua vez alimentou seu satanismo.

Ninguém está a salvo. As marchas militares, executadas em quartéis do Exército por orquestras 99% masculinas (raras mulheres tocam bumbos ou tubas), ativam sabonetes escorregadios no banho coletivo dos soldados depois da parada, o que pode não ativar o aborto, mas sem dúvida alimenta o satanismo.

Imagino que Dante Mantovani também desaprove o golden shower.

INFERNO DE DANTE – RUY CASTRO – FOLHA DE SP
Rolar para o topo