IRMÃOS NA DESGRAÇA – HELIO SCHWARTSMAN – FOLHA DE SP

Há comunalidades a ligar os extremos do espectro político

É verdade que vivemos tempos de polarização, mas a natureza humana ainda irmana direitistas, esquerdistas e centristas. Sempre que são apanhados num escândalo, reagem da mesma forma, minimizando as acusações que pesam contra si, mesmo que para isso seja preciso sacrificar os fatos.

O Ministério Público do Rio de Janeiro apresentou um caso forte contra Flávio Bolsonaro, que lança dúvidas sobre várias pessoas de seu entorno, incluindo o próprio presidente. Jair Bolsonaro, que se faz chamar de “mito” e vendia a ideia de que acabaria com todos os vícios da política nacional, apressou-se em qualificar as suspeitas como “pequenos problemas” e disse que nada tem a ver com eles.

Em 2018 Jair Bolsonaro derrotou o candidato Fernando Haddad, alçado à candidatura pelo PT após o ex-presidente Lula, então preso há seis meses, ser declarado inelegível. Na primeira aparição após a vitória, Bolsonaro prometeu “desamarrar” o Brasil, “[libertar] o Itamaraty das relações internacionais com viés ideológico” e, ao lado de apoiadores e de sua esposa, fez uma oração 

Não é uma trajetória muito diferente da do PT, que se intitulava “um partido diferente”, insinuando, nas entrelinhas, que era incorruptível, mas, quando flagrado no mensalão, passou a defender-se dizendo que não havia feito nada que outras agremiações também não fizessem.

A coisa não se limita a nossas fronteiras. Trump descreve seu impeachment como uma tentativa de golpe em cima de uma bobagem, numa atitude que lembra muito a de Dilma e a de Collor.

O leitor psicologicamente informado já deve ter enxergado aí as digitais do erro fundamental de atribuição (EFA), que é o viés pelo qual nós, humanos, tendemos a superestimar causas disposicionais, como genes e caráter, e subestimar elementos situacionais, isto é, o contexto, quando explicamos o comportamento dos outros –e fazer o contrário quando nós mesmos é que estamos na berlinda.

Se meu adversário foi acusado, é porque ele é mesmo um crápula que gosta de roubar o povo; se é contra mim que o MP investiu, estão fazendo tempestade num copo d’água e interpretando de forma maliciosa atos, senão inocentes, corriqueiros.

Soa meio cínico, mas me divirto ao constatar que ainda há comunalidades a ligar os extremos do espectro político.

Hélio Schwartsman

Jornalista, foi editor de Opinião. É autor de “Pensando Bem…”.

IRMÃOS NA DESGRAÇA – HELIO SCHWARTSMAN – FOLHA DE SP
Rolar para o topo