Lançar suspeitas sobre a Justiça é crime de responsabilidade – RICARDO NOBLAT, VEJA.COM

Nostálgico da ditadura

Por Ricardo Noblat – 11 mar 2020, 09h00

Prédio do Supremo Tribunal Federal, em Brasília (DF)
Prédio do Supremo Tribunal Federal, em Brasília (DF) Gil Ferreira/SCO/STF/Divulgação

A este blog, sob a condição de não terem seus nomes revelados, dois ministros do Supremo Tribunal Federal coincidiram em dizer que o presidente Jair Bolsonaro corre o risco de abertura de processo de impeachment por crime de responsabilidade se insistir com a história de que houve fraude na eleição de 2018.

Provas do que ele disse durante sua quarta viagem aos Estados Unidos em menos de um ano certamente lhe serão cobradas por partidos políticos – e, se for grande a pressão que eles exerçam, talvez pelo Procurador Geral da República, Augusto Aras. Que ontem, provocado, adiantou que não conhece provas de fraude.

Os dois ministros consideram que a declaração sobre fraude foi uma das mais graves feitas por Bolsonaro desde que assumiu o cargo. Nem por isso se surpreenderam com ela. Ainda como candidato, Bolsonaro ficou rouco de tanto repetir que não reconheceria o resultado da eleição se fosse derrotado.

A quem interessa deixar a Justiça sobre suspeita? – perguntou um dos ministros. E ele mesmo respondeu: interessa a quem quer enfraquecer a democracia para substitui-la por um regime autoritário ou para governar de maneira autoritária. Bolsonaro não nega a falta que lhe faz uma ditadura.

Lançar suspeitas sobre a Justiça é crime de responsabilidade – RICARDO NOBLAT, VEJA.COM
Rolar para o topo