LEI DE GERSON – ASCANIO SELEME – O GLOBO

Tentativa de Bolsonaro de posar como vitorioso na aprovação do Fundeb me lembrou um velho comercial de cigarros

tentativa do presidente Jair Bolsonaro de posar como vitorioso na aprovação do Fundeb me lembrou um velho comercial de cigarros em que o Gerson, ex-craque da Seleção de 1970, terminava dizendo que o brasileiro gosta de levar vantagem em tudo. O governo, através de seu ministro da Economia, Paulo Guedes, e com o apoio de um dos principais líderes do centrão, deputado Arthur Lira, tentou alterar a emenda, transferindo recursos da educação básica para o Renda Brasil. O objetivo era financiar com dinheiro do Fundeb seu programa de clientelismo. Ao ver que não conseguiria aprovar a manobra, o governo tentou adiar a votação. Perdeu também.

E então, como quem não quer nada, Bolsonaro foi passear nos jardins do Alvorada e disse aos apoiadores que se aglomeravam ali que conseguiu uma nova vitória na Câmara. Coisa de louco, ou de esperto. Como as palavras voam e seus seguidores acreditam em tudo, o presidente mentiu descaradamente. “Meu governo conseguiu mais uma vitória ontem, aprovamos o Fundeb e o Senado deve seguir o mesmo caminho”. Neste ponto ele foi interrompido por duas pessoas que exclamaram um “Graças a Deus!” e um “É isso aí!”. Suspeito que as duas não sabem sequer o que significa o Fundeb, mas como acreditaram que foi mesmo uma vitória de Bolsonaro, aplaudiram.

O governo se omitiu na negociação do Fundeb ao longo de toda a sua tramitação na Câmara. Só meteu o seu bedelho quando ele foi ao plenário para votação. Aí quis mudar o texto, subtraindo recursos para fazer assistencialismo com dinheiro dos meninos do ensino público. E se deu mal. Mas Bolsonaro, um reconhecido esquizofrênico dado a alucinações e delírios, contou uma outra história para a claque do Alvorada. “Estamos aumentando a participação do Estado, coisa que o PT podia ter feito lá atrás e não fez. Aumentamos a contribuição do Estado com votação quase unânime”, disse o chefe do governo que quis reduzir os repasses.

O Fundeb foi criado em janeiro de 2007, no segundo mandato de Lula, que mudou e ampliou o Fundef, um fundo de manutenção da educação básica e do magistério introduzido ainda no governo de Fernando Henrique Cardoso. O ato da sua criação estabeleceu sua duração, de 14 anos. Era obrigatório que ele fosse renovado até o final deste ano, já que representa mais de 40% dos recursos usados pela rede pública. Ao protagonizar a operação de desmonte do Fundeb na Câmara, o governo ainda tentou adiar a sua implementação, deixando a questão em aberto. O secretário Wanderly Rodrigues, da Economia, prometeu que manteria a dotação deste ano em 2021, mesmo sem lei ou regra formal para o desembolso. Fala sério, Wanderly.

Ao afirmar que a votação foi quase unânime, o presidente quis mostrar que tem um apoio robusto no Congresso. Outra miragem. O que ocorreu foi exatamente o contrário. Ao perceber que não teria alternativa e pressionado pelo centrão que não conseguiu entregar os votos prometidos, o governo orientou sua bancada a votar a favor do Fundeb. Uma saída política honrosa. Os seis parlamentares que votaram contra o Fundo são do PSL, todos bolsonaristas de carteirinha. Então, para consolidar a mentira deslavada, Bolsonaro partiu para a retaliação. A deputada Bia Kicis, um dos seis votos contra, foi retirada do cargo de vice-líder. E o PSL ameaça expulsar ela e os outros cinco.

O caso é estranho, mas como parte dele faz todo sentido. O presidente, que se elegeu portando a bandeira da anti-política, fez aquilo que todo político mais cedo ou mais tarde acaba aprendendo. Fez política. E em política, onde não se consegue vencer (até aqui perdeu quase todas), busca-se o entendimento. Além disso, Bolsonaro aprendeu que o ideal é recuar quando se está na iminência de perder feio. Sua inovação foi mentir, tentando reescrever uma história já contada, construindo uma nova verdade, onde ele sai ganhando, como recomenda a Lei do Gerson.

Adocicar sempre

Para quem ainda tinha dúvida, a derrota estrondosa na votação do Fundeb deixou claro que para aprovar projetos de interesse do governo o centrão não serve. Sua utilidade é outra. O agrupamento fisiológico clientelista é bom para barrar encrencas para o presidente, como impedir com seus cento e poucos votos um impeachment, por exemplo. E olhe lá. Para entregar esta única serventia ele precisa ser muito bem açucarado. Vai recusar cargo para o centrão para você ver uma coisa. Esta turma já existia e atendia pelo mesmo nome em 1992, quando abandonou Fernando Collor por falta de mel.

Rodrigo

O presidente da Câmara vai chegando ao fim de seu mandato mostrando uma eficiência poucas vezes vista nas gestões de seus antecessores. Rodrigo Maia, que foi o principal responsável pela aprovação da Reforma da Previdência, no ano passado, fez barba, cabelo e bigode na votação do Fundeb e mostrou musculatura ao pautar a Reforma Tributária. Peitou e rechaçou todos os rompantes antidemocráticos perpetrados pelo presidente da República e seus três zeros. Mas ficou devendo no encaminhamento de pelo menos um dos 48 pedidos de abertura de processo de impedimento de Bolsonaro em razão dos seus inúmeros crimes de responsabilidade.

Farra em Brasília

Distanciamento social é bom para os outros. Em Brasília, audiências públicas, jantares e reuniões de trabalho presenciais viraram parte da paisagem. Terno e gravata são quase obrigatórios, mas máscaras são usadas apenas quando as câmeras estão ligadas. O deputado Luís Miranda (DEM-DF) transformou a sala de estar de sua casa em escritório, onde despacha e faz reuniões. O detalhe curioso é que, não importa quem seja seu interlocutor, ele sempre os recebe de bermuda, camiseta e chinelos.

O Brasil de bom exemplo

Esta devo atribuir ao professor e ex-deputado Chico Alencar, que foi buscá-la no fundo do baú, mas é bastante útil nestes tempos de “filhocracia e nepotismo”, nas palavras dele. Trata-se do exemplo dado pelo grande escritor Graciliano Ramos, quando era prefeito de Palmeira dos Índios (AL), entre 1928 e 1930. Ele multou o próprio pai por deixar seus bodes soltos na cidade. Quando o pai reclamou, Graciliano respondeu assim: “Prefeito não tem pai. Eu posso pagar sua multa, mas terei que prender seus animais e multá-lo toda vez que o senhor os deixar na rua”.

Fala sério

A ex-presidente Dilma Rousseff assinou com o chanceler venezuelano Jorge Arreaza um manifesto pedindo que países ricos e bancos perdoem as dívidas de países em desenvolvimento em razão da Covid-19. Muito boa iniciativa. Assim, na Venezuela, por exemplo, os generais corruptos que abiscoitaram o poder com Hugo Chávez poderão continuar com a mão na botija.

Enquanto isso

No Brasil, os militares instalados no governo são muito diferentes dos bolivarianos de Chávez e Maduro. Por ora, satisfazem-se com cargos no Executivo para parentes e amigos. Para sorte deles, são muitas as boquinhas gordas.

Tem coisa errada

Como se não bastassem os problemas que enfrenta em razão da difusão de fake news em suas plataformas, o Facebook responde a investigações por antitruste em 47 dos 50 estados americanos. No plano federal, o Departamento de Justiça dos EUA também atua contra a empresa de Mark Zuckerberg. Não dá para atribuir esta profusão de demandas judiciais ao acaso. Tem coisa aí.

O fim do comércio

Se o comércio presencial já sofria fortemente com a concorrência da gigante Amazon e de similares de venda online, a coisa desandou de vez com a pandemia de coronavírus. Na França, a Tati, a maior loja popular do país, que recebia até o início dos anos 2000 mais visitantes que a Torre Eiffel, fechou as portas. Nos EUA, empresas como GAP, Banana Republic e Uniqlo estão ainda tentando decifrar o mundo que vai sair da crise sanitária, mas muitas das suas franquias em cidades menores no interior do país fecharam na pandemia para não abrir mais.

Terra plana

Com o número oficial de mortos pelo coronavírus chegando à marca de 100 mil, queria saber o que têm a dizer o Dr. Cloroquina e o ex-médico Osmar Terra. Dr. Cloroquina foi o primeiro puxa-saco de Bolsonaro a fazer uso do remédio de malária para tratar da sua Covid. Um tolo. O deputado Terra, que queria ser ministro da Saúde, disse que coronavírus era menos letal que a H1N1, que matou 2.060 pessoas em 2009. Um bobo.

E agora, Jair?

O seu líder Donald Trump mudou o discurso. Parou de incensar a cloroquina, passou a usar máscaras e já fala do perigo do coronavírus e da emergência global que a pandemia representa. No Brasil, Jair Bolsonaro ainda não voltou ao palanque, derrubado que foi pelo vírus, mas seus assessores garantem que sua visão sobre a “gripezinha” não mudou.LEIA TODAS AS COLUNAS…

LEI DE GERSON – ASCANIO SELEME – O GLOBO
Rolar para o topo