LIBERDADE DE EXPRESSAR SEU ÓDIO – VERA IACONELLI – FOLHA DE SP

Sob o sagrado manto dos direitos, se esgueira nossa violência estrutural

O nicho de filmes-catástrofe, nos quais vírus são capazes de dizimar humanos em poucas horas, tem exemplos para todos os gostos.

A estrutura é repetida à exaustão: feito em laboratório ou por mutações mal explicadas, um vírus sai desembestado matando, quase instantaneamente, quem encontra pela frente, para depois ser eliminado com igual rapidez, pelo cientista-super-herói-insone que descobre seu antídoto. Sobem os créditos finais, e a humanidade está sã e salva.

Tema insistente, que aponta para outra contaminação, nada ficcional, que se espalha como doença fatal, deixando mortos e feridos do dia para a noite: o discurso de ódio viralizado nas redes. 

Cada mandato político conquistado na base da “mamadeira de piroca” —ou similar genérico— leva anos para ser revertido, se quando. O antídoto da contaminação virtual é complexo e incerto.

Um exemplo é a recente nomeação de um sujeito desqualificado para presidente da Fundação Palmares, que aproveitou seus dias de celebridade para ultrapassar todos os limites do aceitável, dando uma aula despudorada do nosso racismo estrutural. 

Sérgio Nascimento de Camargo, novo presidente da Fundação Palmares
Sérgio Nascimento de Camargo, novo presidente da Fundação Palmares – Reprodução

Embora tenha sido impedido de assumir o cargo prometido, o infame teve tempo de sobra para espalhar suas palavras no ventilador, empesteando o ar e estimulando a crueldade cotidiana. Fonte de inspiração para reacionários de plantão e da naturalização de nossas mazelas. 

Diferentemente dos jornais, que são obrigados a responder por cada linha que escrevem, seja na figura do ombudsman, no plano jurídico ou orçamentário, as mídias onde esses vírus circulam não encontram pontos de responsabilização que as iniba. Pelo contrário, fomentar esse tipo de discurso é o que as alimenta.

Em sua fala feita no“International Leadership Award at the Anti-Defamation League’s” (2019), Sacha Baron —sim, o comediante inglês— denuncia como o discurso dos “silicon six” (Google, Netflix, Microsoft, Apple, Amazon e Facebook), sob o sagrado manto da “liberdade de expressão”, é ancorado no cinismo ganancioso das corporações sem rosto. Ele rebate os argumentos mal-intencionados sobre liberdade de expressão de Mark Zuckerberg ponto a ponto —fica a dica.

Liberdade de expressão se tornou o termo falacioso no qual se supõe que um sujeito pode falar qualquer coisa que quiser, sem sofrer as consequências de seus atos —lembrando que a fala é um ato. 

O verbo poder, em nossa língua, tem duas acepções: capacidade e permissão. Um policial militar pode, por exemplo, de tocaia, bater certeiro e sem piedade, com uma barra de ferro na cara de adolescentes desavisados que saem por uma ruela escura, enquanto ri de sua impronunciável ação? Sim, ele consegue. Mas ele tem permissão? Se tem, quem lhe deu; se não, quem o pune? 

Um colega psicanalista recebe a ligação de um paciente enquadrado por atentado ao pudor —ele tinha saído pelado na rua—, pedindo que intercedesse para evitar sua detenção, afinal, ele era um “maluco-beleza”.

É claro que o profissional não intercedeu, pois mesmo de um louco não deve ser retirada a dignidade de assumir e responder por seu ato —só dependendo da capacidade dele reconhecer que está nu, na rua e que há uma lei proibindo isso. 

O racismo estrutural, viralizado nas redes, afeta e incentiva a mão que ostenta a barra de ferro e a emboscada que mata nossos jovens. 

Discursando, escrevendo ou clicando em favor do ódio e da intolerância nos tornamos igualmente responsáveis pela violência que supomos estar fora de nós.

Vera Iaconelli

Diretora do Instituto Gerar, autora de “O Mal-estar na Maternidade” e “Como Criar Filhos no Século XXI”. É doutora em psicologia pela USP.

LIBERDADE DE EXPRESSAR SEU ÓDIO – VERA IACONELLI – FOLHA DE SP
Rolar para o topo