MENOR QUE A CADEIRA – MERVAL PEREIRA, O GLOBO

O anúncio de que o presidente Bolsonaro foi infectado pela Covid-19 traz em si mesmo diversas facetas dele: irresponsabilidade, falta de compaixão, negação da gravidade da pandemia, desdém indicando falta de entendimento do que seja a presidência do Brasil.

Não apenas aproveitou a ocasião para reafirmar a indicação de cloroquina e seus derivados para tratamento da doença, como fez um vídeo em tom amolecado tomando o remédio e sugerindo-o para a população que precisar. Parecia um verdadeiro garoto propaganda do remédio, cuja fabricação obrigou o Laboratório do Exército a aumentar, além dos milhões de comprimidos que recebeu como “doação” dos Estados Unidos depois que o FDA proibiu sua utilização.

A gravidade do comportamento é que o uso da cloroquina já foi desaconselhado por estudos de diversos países, e organismos com credibilidade como a Organização Mundial da Saúde (OMS), o Federal Drug Administration (FDA), agência regulatória americana, o hospital Albert Einstein em São Paulo, o Instituto do Cérebro no Rio.

Todos suspenderam o uso da cloroquina para tratamento da Covid-19 depois de demonstrado que, além de não ser eficaz no combate ao novo coronavírus, a cloroquina pode causar efeitos colaterais graves, como arritmia cardíaca.

 A irresponsabilidade marcou também o anúncio de que havia testado positivo para Covid-19. Embora estivesse de máscara a maior parte do tempo, o presidente tocou o microfone das televisões escolhidas para ouvir seu anúncio, aproximou-se dos repórteres e tirou a máscara em determinado momento.

Voltou a mostrar falta de empatia e desinformação ao afirmar que a Covid-19 “é como a chuva, vai molhar todo mundo”. A inevitabilidade da morte, sempre lembrada por Bolsonaro diante da tragédia humanitária que o país enfrenta, não significa que ela não deva ser retardada o mais possível, através de uma vida saudável e dos meios de atendimento à população mais carente.

Desde o início da pandemia o presidente Bolsonaro tentou mostrar-se inatingível pelo vírus, expôs-se e expôs seus admiradores ao contágio até mesmo na segunda-feira, quando voltava dos exames já com os primeiros sintomas. Bolsonaro foi conversar com o pequeno grupo que o esperava no Alvorada, quando deveria ter passado direto para não correr o risco de contaminar alguém.

Mesmo quando anunciou que está infectado, Bolsonaro não poderia tê-lo feito de forma presencial. Bastaria um comunicado oficial do Palácio do Planalto ou, se quisesse comunicar pessoalmente o fato, poderia ter usado as lives tão famosas que faz.

Seu “amigo” Donald Trump usou o caso como exemplo “do que está acontecendo” no Brasil. A doença de Bolsonaro traz também mais esse estrago político, reafirmando a situação descontrolada da pandemia entre nós. Sem ministro da Saúde, o país vai cavando sua própria cova como o que tem mais mortos por dia, e caminha resoluto para ter o maior número total de mortos.

 Os brasileiros já estão proibidos de viajar não apenas para a Europa e os Estados Unidos, mas também para alguns de nossos vizinhos sul-americanos. Trump nos Estados Unidos deu uma recuada estratégica quando viu o tamanho da tragédia, embora continue não usando máscara e tenha anunciado que estava tomando cloroquina como preventivo. Boris Johnson, na Inglaterra, teve uma atuação de estadista, depois de menosprezar os riscos e sair às ruas abraçando e cumprimentando seus simpatizantes, como um Bolsonaro descabelado.

Apanhado pelo vírus, esteve quase à morte e, ao retornar são e salvo ao dia a dia de primeiro-ministro de um país que enfrenta uma crise sanitária sem precedentes, caiu em si e pediu desculpas por ter desprezado os riscos.

 O momento seria uma oportunidade de ouro para Bolsonaro se redimir de sua atuação pífia diante da pandemia, e unir os brasileiros nessa guerra que ainda está longe de terminar. Mas ele não tem esse tamanho, é menor que a cadeira de presidente da República.     

MENOR QUE A CADEIRA – MERVAL PEREIRA, O GLOBO
Rolar para o topo