Mentiras amazônicas – BERNARDO MELLO FRANCO, O GLOBO

BOLSONARO E O DESMATAMENTO

Mentiras amazônicas

Por Bernardo Mello Franco12/08/2020 • 00:00Jair Bolsonaro em videoconferência sobre a AmazôniaJair Bolsonaro em videoconferência sobre a Amazônia | Marcos Corrêa/PR

Jair Bolsonaro não se contenta em contar pequenas lorotas. Suas mentiras são amazônicas. Têm o tamanho da maior floresta tropical do mundo.

Ontem o presidente declarou que o bioma não está em risco. “Essa história de que a Amazônia arde em fogo é uma mentira”, disse. No mesmo discurso, ele fingiu ser um inimigo do desmatamento ilegal. “Nossa política é de tolerância zero”, afirmou.

As duas frases são tão verdadeiras quanto a conversão de Bolsonaro à democracia. Só em julho, o Inpe registrou 6.803 focos de incêndio na região. Uma alta de 28% em relação ao mesmo mês de 2019.

Dados preliminares indicam que a devastação anual aumentou 34%. Isso significa que o Brasil poderá registrar 13 mil quilômetros de perda florestal, o pior resultado em 14 anos.

Desde a posse do capitão, o governo faz vista grossa ao avanço das motosserras. O Ministério do Meio Ambiente foi entregue a um político condenado por fraude ambiental. Ele desmontou os órgãos de fiscalização, perseguiu servidores e tentou aproveitar a pandemia para “passar a boiada” na legislação do setor.

Um de seus primeiros atos foi afastar o fiscal do Ibama que multou Bolsonaro por pesca ilegal. O caso se repetiu com outros servidores que tentaram combater a exploração predatória da Amazônia.

O capitão é ousado. Não se limita a mentir em grupos de zap ou no curralzinho do Alvorada. Ontem ele recitou suas cascatas em reunião com presidentes de quatro países, além de representantes das Nações Unidas e do Banco Interamericano de Desenvolvimento.

Diante dessa plateia bem informada, disse que o Brasil é difamado por ser uma “potência no agronegócio”. “E lamentavelmente alguns poucos brasileiros trabalham contra nós”, emendou.

“Não faz sentido falar em complô contra o Brasil. Esse discurso não se sustenta em fatos”, contesta o engenheiro florestal Paulo Barreto, pesquisador associado do Imazon. Ele lembra que o país precisa proteger a Amazônia para segurar investidores. “Hoje os fundos internacionais estão preocupados com a sustentabilidade. Isso não é conversa de ambientalista, e sim de capitalista”.

Mentiras amazônicas – BERNARDO MELLO FRANCO, O GLOBO
Rolar para o topo