Mercado vê o fim de qualquer agenda liberal na saída de Wilson – MIRIAM LEITÃO, O GLOBO

A renúncia de Wilson Ferreira do cargo da Eletrobras deixa claro para o mercado  que não haverá privatização no governo Bolsonaro. Quando entrou na estatal, durante o governo Temer, o foco da gestão de Ferreira era preparar e ajustar a empresa para a privatização. Conseguiu avançar um pouco, mas tudo parou neste governo.  Hoje é feriado em São Paulo e a bolsa está fechada, apesar disso falei hoje cedo com economistas do mercado que estavam de olho nessa notícia e seu reflexo nos preços. As ADRs da Eletrobras, no exterior, caíram  5% na sexta e caiu hoje mais 10% na pré-abertura.

Na campanha, Bolsonaro  disse que tinha uma agenda liberal. Acreditou quem quis porque ele sempre teve uma pauta antiliberal durante todos seus mandatos. Na economia, sempre votou contra tudo que o mercado acha importante.

A preocupação não é com um evento mas com uma sucessão de eventos. Nas última semanas, o presidente pediu a cabeça do presidente do Banco do Brasil, André Brandão, por anunciar o fechamento de agência e o programa de demissão voluntária de cinco mil funcionários. Na quinta, isentou o imposto de importação de pneus por pressão dos caminhoneiros. A Petrobras está com defasagem alta nos preços e não consegue corrigir para também não desagradar a esta categoria. O diesel está com defasagem de 20%, o GLP com preço represado ainda maior. Para o mercado, a questão de Wilson Ferreira, é um filme de toda política voluntarista e intervencionista do atual  governo.

Os economistas olham com preocupação também a sucessão no Congresso. Acham que não há candidato que tenha convicção firme sobre a agenda econômica. Além disso, a equipe econômica não pensou numa solução para o  auxílio emergencial, a tempo. Isso significa que ela ficará a reboque do que for imposto pela política. Hoje no Financial Times saiu um editorial falando da gravidade da crise brasileira. 

Mercado vê o fim de qualquer agenda liberal na saída de Wilson – MIRIAM LEITÃO, O GLOBO
Rolar para o topo