META DE VACINAÇÃO OSCILA COMO BIRUTA – JOSIAS DE SOUZA, BLOG NO UOL

“Nossa meta é vacinar 80 milhões de brasileiros por ano” contra a Covid-19, informou nesta sexta-feira (27) o secretário-executivo do Ministério da Saúde, Elcio Franco. No mês passado, a pasta trabalhava com números mais ambiciosos. Prometia distribuir em 2021 doses de vacina suficientes para imunizar até 152,5 milhões de pessoas. Há quatro dias, a Fiocruz, fundação vinculada ao ministério, forneceu uma terceira previsão: 136,5 milhões de patrícios seriam vacinados no ano que vem.

Como se vê, a meta de vacinação do governo oscila como biruta, aquele aparelho composto de um anel de metal e um cone de tecido que, preso a um mastro, muda de posição conforme a direção do vento. Por enquanto, a única certeza disponível no governo a respeito de vacina é que Jair Bolsonaro não tem a mais remota intenção de oferecer o braço a um enfermeiro. “Eu não vou tomar, é um direito meu”, reafirmou o presidente, em sua live da última quinta-feira.

O secretário Elcio Franco, número dois do general Eduardo Pazuello, ministro da Saúde, explicou que a vacinação parcial não é um problema: “O fato de determinados grupos da população não serem imunizados não significa que não estarão seguros, porque outros grupos que convivem com aqueles estarão imunizados e dessa forma não vão ter a possibilidade de se contaminar.”

Quem ouve o auxiliar de Pazuello fica com a impressão de que a imunização de 80 milhões de pessoas manteria a salvo do vírus os mais de 212 milhões de brasileiros. Num texto veiculado em seu site no dia 9 de outubro, o Ministério da Saúde previa distribuir a partir de janeiro 140 milhões de doses de vacina. Considerando-se que são necessárias duas doses para obter a proteção, seriam vacinadas num primeiro momento 70 milhões de pessoas.

O texto anota que, “em uma segunda fase, a previsão é que a capacidade de produção seja de mais 165 milhões de doses no ano que vem.” Significa dizer que mais 82,5 milhões de brasileiros tomariam vacina. Ou seja: o Brasil ofereceria no ano de 2021, em duas etapas de vacinação, imunidade a 152,5 de habitantes. As vacinas viriam do laboratório AstraZeneca e do consórcio internacional Covax Facility, coordenado pela Organização Mundial da Saúde. No primeiro, o governo investiu R$ 1,9 bilhão. No segundo, R$ 2,5 bilhões.

META DE VACINAÇÃO OSCILA COMO BIRUTA – JOSIAS DE SOUZA, BLOG NO UOL
Rolar para o topo