Mutirão pela vacina, uma vez que vidas pouco importam – RICARDO NOBLAT, VEJA.COM

Mutirão pela vacina, uma vez que vidas pouco importam | VEJA Política

À falta de governo, cada um por si e Deus por todos

Por Ricardo Noblat

Gritos pelo impeachment
 Orlando Brito/Reprodução

Da mesma forma, parece escrito nas estrelas que o governo do inepto presidente Jair Bolsonaro não dará conta sozinho de bancar a vacinação em massa dos brasileiros contra o vírus. Não deu conta de enfrentar a doença quando podia, preferindo deixá-la se espalhar. Perdeu o bonde à partida da compra das vacinas.AdChoicesPUBLICIDADEabout:blank

Não foi por falta de dinheiro, mas de vontade, empenho e competência. Sobraram a visão negacionista do presidente da República e sua aposta errada na politização do assunto. Quando o governo acordou, se é que acordou, havia sido passado para trás pelo governador João Doria (PSDB-SP) e o Instituto Butantan.

Bons tempos aqueles para Bolsonaro onde a administração da crise de saúde não dependia só dele, mas também de governadores e prefeitos. Foram tempos em que ele pôde descaradamente mentir dizendo que o Supremo Tribunal Federal havia lhe tomado o dever e o direito de comandar a guerra à Covid-19.

Deram-se bem os governadores e prefeitos mais ativos na questão. No caso de Doria, por exemplo, revela a mais recente pesquisa Datafolha aplicada há quase uma semana que 46% dos brasileiros entendem que ele fez mais para combater o coronavírus do que Bolsonaro, apontado por apenas 28%.

Só que agora a bola está no pé do presidente e ele não sabe jogá-la. Quer prova maior disso do que a iniciativa de empresas privadas que negociam com o governo uma autorização para importar 33 milhões de doses da vacina de Oxford/Aztrazeneca? A tarefa caberia exclusivamente ao Ministério da Saúde.

Pelo acordo em curso, metade do total dos imunizantes seria doado ao Sistema Único de Saúde. O restante iria para funcionários e familiares das companhias que fazem parte da negociação, pelo menos 12 até agora. Onde fica o princípio de que todos os brasileiros têm direito à vacina e serão imunizados?

É compreensível que empresas poderosas se mexam para ocupar o espaço deixado vago pelo governo que ignorou no ano passado uma oferta da fabricante da vacina Pfizer para que comprasse 70 milhões de doses. O governo considerou alto o preço cobrado e abusivos os termos do contrato. A fabricante insistiu, sem sucesso.

A lei da oferta e da procura que rege a economia é muito simples. Se a procura por um produto aumenta, o preço sobe. Governos onde a inteligência prevalece pagaram mais caro para estimular a produção de vacinas e depois comprá-las a preço razoável. Como o governo Bolsonaro carece de inteligência, mas não só…

Corre atrás do prejuízo. Quem pagará por tantas vidas que se perderam devido à incúria e irresponsabilidade do presidente e da sua turma? Se deixar que morram os que tiverem de morrer não configura crime sujeito a impeachment, o que mais pode configurar? A compra de um Fiat Elba? Pedalada fiscal?

Mutirão pela vacina, uma vez que vidas pouco importam – RICARDO NOBLAT, VEJA.COM
Rolar para o topo