NÃO HÁ OPÇÃO – MARILIZ PEREIRA JORGE – FOLHA

É impossível não reportar o espetáculo grotesco a que somos expostos

Por que jornalistas se prestam a aguentar insultos diários de Jair Bolsonaro na porta do Palácio da Alvorada? Por que os jornais reproduzem ofensas, falas criminosas e dão espaço ao discurso de ódio protagonizado pelo presidente contra imprensa, adversários políticos, entidades internacionais, líderes estrangeiros, Greta e DiCaprio?

Tenho lido e ouvido esse questionamento com frequência. Por que não restringimos a cobertura às notícias que envolvem a administração? Porque é dever do jornalismo se opor ao arbítrio, ao autoritarismo e à opressão, e o trabalho envolve o desconforto de lidar com um sujeito asqueroso feito nosso atual mandatário. 

Aguentar as grosserias de Bolsonaro sem que haja réplica, o que transformaria suas saídas diárias numa baixaria ainda pior, mostra a competência dos profissionais que têm a dura missão de cobrir o presidente. 


Mas não é só isso, é necessário que se registrem falas, gestos,atitudes e detalhes da personalidade que contarão a história de um país por meio do raio-x do seu representante maior. Um governo não é feito apenas dos números da economia, das vitórias e das derrotas na educação, na saúde e no desenvolvimento. 

0
Bolsobaro faz insultos à jornalista da Folha Patrícia Campos Melo durante transmissão de “live” para o Facebook em frente ao portão do Palácio da Alvorada – Reprodução/TV Globo

Em décadas, os brasileiros talvez não saibam os dados sobre desemprego, preço do dólar ou da gasolina, quantas crianças estavam fora da escola ou a quantidade de miseráveis na fila do Bolsa Família. Mas saberão que tivemos um presidente misógino, racista, homofóbico, que não respeita instituições, despreza o jogo da democracia e flerta descaradamente com um autogolpe. 

Muito antes de as redes sociais darem espaço a qualquer baboseira que uma pessoa pense, Millôr já dizia, “não se amplia a voz dos imbecis”. Difícil discordar, mas o mundo está cheio deles em posições estratégicas. Infelizmente, não é uma opção deixar de reportar o espetáculo grotesco de falta de educação, de empatia e de humanidade a que somos expostos todos os dias.

Mariliz Pereira Jorge

Jornalista e roteirista de TV.

MEU COMENTÁRIO:

Para v. internauta que leu até aqui, manifesto minha discordância, começando pelo título.

Há opção, sim.

Se os jornalistas profissionais, como categoria, tivesse o chamado “espírito de corpo”, bastaria que tivesse unidade bastante para dar um “gelo” no Bolsa: Ninguém ficaria no cercadinho, formando a platéia esperando que o artista viesse ao picadeiro e vociferasse suas pataquadas diárias.

Bolsonaro, como todo artista, precisa de público. Quando a plateia estiver às moscas, ele não terá a quem se dirigir.

O problema é que para os jornalistas ditos ofendidos, a midia vive de noticias, e sem elas estaria perdida.

Como se vê, ninguém é santo nesse terreiro...

NÃO HÁ OPÇÃO – MARILIZ PEREIRA JORGE – FOLHA
Rolar para o topo