NEGACIONISMO – ANA CARLA ABRÃO – ESTADÃO

A forma escapista do presidente de ignorar a realidade tem nos feito perder tempo – e vidas

07 de julho de 2020 | 04h00

Números são um problema. Eles insistem em expor a realidade, em particular, quando queremos negá-la. Na atual crise de saúde tem sido assim. O Brasil se aproxima da triste marca de 65 mil mortos pela covid-19. A epidemia, ao mesmo tempo que amaina em alguns Estados, avança de forma impiedosa em outros, revelando a verdade: não se trata apenas de uma “gripezinha”. Haveremos de conviver com ela por muito tempo ainda e a administração dessa convivência será determinante no nosso futuro.

Na economia, os números também assustam. A atividade interrompida, por receio da contaminação ou por medidas de restrição, mostra seus reflexos nos números do trimestre que se encerrou. A algum vigor dos primeiros meses do ano, contrapõem-se a realidade do desemprego e da quebra de empresas pequenas, médias e grandes. Trabalhadores formais sofrem com o fechamento de vagas. Os informais sofrem duas vezes mais, conforme cálculos do professor Hélio Zylberstajn, publicado em matéria do Estadão de ontem. Como consequência do enfraquecimento do mercado de trabalho e do aumento dos pedidos de recuperação e falência, o mercado de crédito reage com volumes menores e custos maiores. Afinal, o risco aumentou.

Coronavirus
Vetar a obrigatoriedade do uso de máscaras em locais públicos é um ato negacionista e irresponsável. Foto: Pilar Olivares/Reuters

No campo fiscal, quer seja pelo lado do gasto (aumento), quer seja pelo lado do Produto Interno Bruto – PIB (queda), as perspectivas para a relação dívida/PIB não são nada alvissareiras. Devemos beirar os 100% neste ano, renovando a tendência de crescimento pela próxima década segundo a Instituição Fiscal Independente (IFI). Essa trajetória coloca pressão sobre outro número: o juro básico. O ineditismo de uma taxa Selic baixa pode estar comprometido por um descontrole fiscal que só não acontecerá se houver consenso em torno de uma agenda de ajuste e responsabilidade fiscais.

Essa é a realidade. O desafio está em saber enfrentá-la e a sabedoria em admiti-la, tanto no campo da saúde, quanto no da economia. Para isso, a prioridade é, e continuará sendo, o controle da epidemia e a garantia de atendimento de saúde aos cidadãos. Ao menos até que uma das aclamadas vacinas nos salve. Na economia, assim como na saúde, não se pode esperar de braços cruzados que também a “gripezinha” da recessão seja curada pelas cloroquinas fiscais e monetárias. Aqui, nem o argumento da boa forma sobrevive.

Na saúde o governo federal já perdeu o pé – e o timing. Coordenação de esforços, definição clara de protocolos, eficiência na administração de distribuição de medicamentos, de equipamentos de proteção individual (EPIs) e de ventiladores e a implementação de uma estratégia de testagem maciça deveriam ter sido prioridades. Não foram. O negacionismo custou e ainda custará vidas que à história caberá mostrar responsabilidades e demonstrar o heroísmo de governadores e prefeitos que não cederam às falácias federais.

Na economia, ao contrário, ainda há tempo. As prioridades aqui são claras, os diagnósticos estão feitos e boa parte das propostas está colocada. Assim como as emergenciais saíram do papel, há que se pensar agora nas agendas estruturais de recuperação econômica e social. A começar pela revisão da rede de proteção social, visando à redução da pobreza e ao apoio à população da base da pirâmide. A epidemia escancarou aquela que é nossa principal mazela e que deveria, a partir daqui, ser a prioridade primeira: a redução da nossa vergonhosa desigualdade social. 

Na sequência, e no mesmo tom, vem a reforma administrativa. Melhorar a qualidade dos serviços públicos não é só melhorar a alocação de recursos. Educação, saúde e segurança públicas de qualidade e maior eficiência da máquina salvam vidas, geram oportunidades e aumentam a produtividade. Isso ficou ainda mais claro agora que, infelizmente, tantas vidas foram perdidas e tantos empregos ficaram pelo caminho pela ineficiência de processos burocráticos, pela incapacidade de execução e monitoramento das políticas desenhadas ou da falha em fazer o recurso chegar onde e a quem precisa. Há ainda a reforma tributária, corrigindo a regressividade de uma taxação perversa, buscando eficiência e eliminando tratamentos tributários diferenciados e de efeitos distributivos indesejados. Além dessas grandes reformas – e do inadiável atendimento à crise dos subnacionais, há um conjunto de microrreformas voltadas ao ambiente de negócios, ao fortalecimento institucional e de contratos e à redução do Estado via privatizações e concessões que precisam avançar. 

Não falta o que fazer, nem tampouco se ignora a direção. Mas o negacionismo presidencial, essa forma escapista de ignorar a realidade, tem nos feito perder tempo – e vidas. Fechar os olhos para os números da economia equivale a negar as evidências. Tão negacionista – e irresponsável – quanto vetar a obrigatoriedade do uso de máscaras em locais públicos ou dizer que é culpa dos governadores os números que aí estão, é acreditar que a economia vai se recuperar sem que uma agenda clara de reformas seja colocada a público e pactuada com o Congresso e com a sociedade.

*ECONOMISTA E SÓCIA DA CONSULTORIA OLIVER WYMAN. O ARTIGO REFLETE EXCLUSIVAMENTE A OPINIÃO DA COLUNISTA

NEGACIONISMO – ANA CARLA ABRÃO – ESTADÃO
Rolar para o topo