Nova restrição em SP é correta, mas governo deveria ter adotado há 2 ou 3 semanas; leia análise – GONZALO VECINA, ESTADÃO

Reduzir circulação de pessoas é essencial para frear vírus; alívio para o sistema de saúde deve demorar mais que 14 dias

Gonzalo Vecina*, O Estado de S.Paulo

O conjunto de medidas tomadas para o Estado de São Paulo está próximo do que deveria ser, mas o governador João Doria (PSDB) ainda fez muitas concessões, particularmente no que diz respeito às igrejas (há veto a celebrações coletivas, mas é liberado o atendimento individual) e escolas privadas. A ideia seria limitar ao máximo a circulação de pessoas para reduzir casos. Talvez apertar o que pudesse ser apertado agora fosse a atitude mais correta  para que pudéssemos ter queda nos números, como em Araraquara, no interior.

É inteligente a ideia de não reduzir a circulação de ônibus, manter a frota na rua para diminuir a probabilidade de haver ônibus cheios e manter o ciclo de contaminação nestes espaços. Pedir para que as empresas façam parte do esforço para o escalonamento do funcionamento de indústria, comércio e atividade escolar também é importante. Mas deveria fechar toda atividade escolar para diminuir o trânsito de pessoas – exceto a entrega de alimentação para crianças da rede pública.

25 de março fiscalização
Fiscais da Vigilância Sanitária na Rua 25 de Março, no centro de São Paulo.  Foto: Tiago Queiroz/ Estadão

E, com certeza, essas decisões demoraram. Deveriam ter sido implementadas há duas ou três semanas, um pouco depois de Araraquara, que iniciou este ciclo. A cidade do interior demorou uma semana, mas tomou todas as decisões que deveriam ser tomadas. As novas medidas do governo do Estado já poderiam começar hoje.

Nova restrição em SP é correta, mas governo deveria ter adotado há 2 ou 3 semanas; leia análise – GONZALO VECINA, ESTADÃO
Rolar para o topo