Novilingua bolsonarista – MERVAL PEREIRA, O GLOBO

MALABARISMOS NA LINGUAGEM

Novilingua bolsonarista

Por Merval Pereira

À medida que a crise avança, vamos assistindo à involução dos hábitos e costumes republicanos, tendo o presidente Jair Bolsonaro como protagonista e ministros como coadjuvantes de uma tragédia, onde os conceitos democráticos vão sendo deformados e palavras distorcidas, a exemplo da “novilingua” criada pelo escritor inglês George Orwell na novela 1984, na qual o autoritarismo muda o sentido das palavras para melhor acomoda-las a seus interesses.

Nesse mundo distópico, o ministério da Verdade cuidava de criar a realidade, controlar a verdade oficial. Palavras ganham sentido inverso do original, ou simplesmente desaparecem por desnecessidade, como “liberdade”. Um lema resume o sentido da “novilingua” orwelliana: “Guerra é paz, escravidão é liberdade, ignorância é força”. Hoje, no Brasil, quando Bolsonaro está muito irritado com sua segurança pessoal, ele promove o chefe do setor.

Orwell escreveu 1984 pensando nos regimes comunistas, mas o autoritarismo de direita tem os mesmos vícios de distorcer os fatos a seu favor. A mais recente demonstração de como é possível torcer o sentido das palavras para tentar mudar a realidade é a declaração do presidente Jair Bolsonaro de que nunca proferiu o nome da “Polícia Federal” na já famosa reunião ministerial em que foi acusado pelo ex-ministro Sergio Moro de tê-lo ameaçado de demissão.

Depois de idas e vindas, com versões que contradiziam o presidente, até mesmo do ministro Luiz Eduardo Ramos, a transcrição oficial do áudio feita pela Advocacia-Geral da União (AGU) revela que, sim, o presidente se referiu à Polícia Federal. Confrontado com a realidade, o que faz Bolsonaro? Explica na “novilingua”: “Está a palavra PF. Duas letras. (…) Tem a ver com Polícia Federal, mas é a reclamação PF no tocante ao serviço de inteligência”.

Faz lembrar o conto de Machado de Assis “A Sereníssima República” , no qual relata uma disputa entre os candidatos Nebraska e Caneca, onde o vencedor seria sorteado em um saco contendo duas bolas com os nomes dos concorrentes. A bola sorteada tinha o nome de Nebraska, mas sem a letra final “a”. Caneca, o derrotado, impugnou o resultado, e pediu que um filólogo analisasse a situação.

O professor fez malabarismos de pseuda filologia até que transformou o nome “Nebraska” em “Caneca”, revelando o verdadeiro vencedor do sorteio. E ainda esnobou os ouvintes: “ (…) é a coisa mais demonstrável do mundo. Mas não demonstrarei isso. É óbvio. Há consequências lógicas e sintáticas, dedutivas e indutivas”.

Também o ministro Braga Neto, Chefe do Gabinete Civil, utilizou-se da “novilingua” para explicar o inexplicável: “O presidente respeita a ciência, mas ele tem visto radicalismos”. Esse seria o caso de um “duplipensar”, palavra que Orwell criou em 1984 para definir a possibilidade de um indivíduo ter pensamentos contraditórias entre si.

O ministro da Economia Paulo Guedes, que aderiu ao histrionismo bolsonariano, explicou em “novilingua” o direito que ele acha que o presidente Bolsonaro tem de se infectar: “É um direito dele ser infectado, porque ele não está infectando ninguém.”

O vice-presidente General Hamilton Mourão, em recente artigo, criticou a imprensa: “Opiniões distintas, contrárias e favoráveis ao governo, tanto sobre o isolamento como a retomada da economia, enfim, sobre o enfrentamento da crise, devem ter o mesmo espaço nos principais veículos de comunicação.” Outros ministros, como Braga Neto e Luiz Eduardo Ramos, vêm batendo na mesma tecla, pedindo noticias boas para contrabalançar as más, e querendo que as 15 mil mortes de brasileiros sejam noticiadas como meros números proporcionais ao tamanho de habitantes dos países, como se transformar vidas humanas em meras estatísticas reduzisse o estrago. Mesmo assim, São Paulo tem mais mortes que a China, e Recife mais mortos que a Argentina.

Na verdade, repetem a famosa situação do ditador Costa e Silva que, ao queixar-se de um dono de jornal de críticas demasiadas, ouviu a explicação: “São criticas construtivas”. E respondeu: “Eu gosto mesmo é de elogios construtivos”.

Não conhecem a máxima: notícia é tudo aquilo que o governo não quer ver publicado. O resto é propaganda.

Novilingua bolsonarista – MERVAL PEREIRA, O GLOBO
Rolar para o topo